Andres Stapf/Reuters
Andres Stapf/Reuters

Após derrota da Chapecoense, Vagner Mancini diz que arbitragem foi tendenciosa

Vitória do Nacional do Uruguai complicou a situação do time catarinense na Libertadores

O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 13h10

Depois da derrota da Chapecoense por 3 a 0 para o Nacional, do Uruguai, em Montevidéu, na noite da última quinta-feira, pelo Grupo 7 da Copa Libertadores, o técnico Vagner Mancini reclamou da arbitragem, que expulsou o atacante Rossi e o zagueiro Luiz Otávio da partida. Em entrevista ao canal FOX Sports, o treinador disse que o time uruguaio foi favorecido no apito.

"A arbitragem foi tendenciosa. Faltas cometidas de um lado foram apitadas com rigor, com cartão; do outro lado, não", reclamou o comandante do time catarinense, que depois desabafou: "Nada deu certo".

Mais tarde, em entrevista coletiva, o técnico lamentou o gol sofrido aos 16 minutos do primeiro tempo que, segundo ele, fez com que o Nacional mudasse a estratégia e complicasse o jogo para a Chapecoense.

"A gente veio com o sistema de jogo com uma linha de três zagueiros para tentar neutralizar o ataque do Nacional", explicou Mancini. "A intenção era adiantar a marcação para tentar quebrar o sistema de jogo deles. Mas o gol no início acabou fazendo com que eles recuassem e jogassem nos contra-ataques."

Com quatro pontos, a Chapecoense terminou a quarta rodada desta fase na terceira posição do Grupo 4, atrás de Lanús, da Argentina, e Nacional, ambos com sete. Quarto colocado, o Zulia, da Venezuela, também tem quatro pontos.

No dia 17 de maio, uma quarta-feira, às 21h45, o time catarinense volta a campo pela Libertadores contra o líder Lanús, na Argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.