Após derrota, dirigente do Grêmio critica arbitragem

O pênalti que deu origem ao segundo gol do Atlético Mineiro, que levou a vitória sobre o Grêmio, gerou polêmica neste sábado, ao fim do jogo disputado no Mineirão, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

AE, Agencia Estado

16 de maio de 2009 | 21h58

O assessor do futebol do Grêmio, André Krieger, criticou o árbitro Wilson Luiz Seneme pela penalidade marcada aos 47 minutos do segundo tempo, quando o jogo estava empatado em 1 a 1.

"Fomos prejudicados pela arbitragem. Tivemos um pênalti não marcado a nosso favor e uma penalidade marcada para o Atlético que não aconteceu. E, a origem do lance, foi um escanteio que não ocorreu", reclamou, se referindo ao toque de mão da zaga gremista após um escanteio do Atlético. Um lance semelhante aconteceu no primeiro tempo, dessa vez, com um zagueiro do time mineiro dentro da área, mas o juiz não assinalou pênalti.

O técnico interino Marcelo Rospide, que comandou o time pela última vez neste sábado, endossou as reclamações do dirigente. "Foi uma arbitragem polêmica, o juiz tem que ter autoridade, mas não pode intimidar os atletas". Rospide se referia ao comportamento do árbitro, fortemente criticado pelos jogadores do Grêmio. Para alguns atletas, Seneme teve uma atitude agressiva durante a partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.