Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Após derrota em despedida, Santos projeta reconstrução para 2019

Clube busca novo treinador e terá que lidar com saídas de Gabigol e Renato

Estadão Conteúdo

03 Dezembro 2018 | 09h42

Após encerrar sua participação no Brasileirão com derrota para o Sport, no domingo, o Santos já começa a pensar na próxima temporada. E o ano de 2019 deve ser de reconstrução da equipe dentro e fora do gramado. O time terá novo comando na comissão técnica e, além disso, vai sofrer baixas de peso no elenco.

Cuca se despediu do time no domingo poucas semanas depois de anunciar que deixaria o clube por conta de questões pessoais. Ele vai se afastar do futebol em razão de um problema cardíaco, cujos detalhes não foram revelados. Ao fim de sua última partida no comando da equipe, ele lamentou o tropeço. "Não foi o resultado esperado, mas agora é para o Santos se preparar e fazer um 2019 melhor."

Para tanto, a diretoria terá que escolher um novo líder para a comissão técnica. O experiente Abel Braga é um dos favoritos para assumir a função. Mas o Flamengo também já indicou interesse no técnico, o que deve exigir maior esforço da diretoria santista para concretizar o acerto.

O novo treinador santista terá que lidar com baixas importantes no time, como o atacante Gabriel e o volante Renato. O primeiro voltará a se apresentar à Inter de Milão ao fim do seu contrato de empréstimo com o Santos no fim do ano. E Renato se aposentou dos gramados.

Curiosamente, caberá ao próprio jogador suprir sua ausência e a de Gabigol. Isso porque Renato assumiu recentemente a função de executivo de futebol do Santos. Ele vinha dividindo as funções desde setembro. Agora se concentrará totalmente no trabalho extracampo.

Um outro desafio para o agora ex-jogador é a situação de Rodrygo. O jovem talento santista tem contrato com o Real Madrid e poderá deixar o Santos no meio do ano. Seria uma perda importante no irregular ataque santista, que já não teria mais Gabigol.

A busca por reforços será inevitável, principalmente se o Santos quiser brigar por títulos em 2019. O time terá que ser mais efetivo em suas contratações desta vez, em comparação à última leva que chegou ao clube. Para ficar somente entre os estrangeiros, apenas Carlos Sánchez correspondeu de imediato. Bryan Ruiz e Derlis González demoraram para engrenar e ainda geram expectativa não cumprida à torcida.

Com estas questões a serem resolvidas, o elenco e a diretoria santistas entram de férias a partir desta segunda-feira e só retomam os trabalhos no dia 2 de janeiro, para darem início à pré-temporada, no CT Rei Pelé.

 
Mais conteúdo sobre:
futebolSantos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.