Juan Karita/AP
Juan Karita/AP

Após derrota em La Paz, brasileiros reclamam da altitude

Nilmar, Daniel Alves e André Santos culpam o ar rarefeito pela derrota; Maicon lamenta falhas da defesa

11 de outubro de 2009 | 19h14

Jogo de Eliminatória para Copa do Mundo, contra a Bolívia, em La Paz é sempre um grande desafio para a seleção brasileira. Nos últimos quatro jogos pela competição lá, foram nada menos que um empate e três derrotas, a última neste domingo, por 2 a 1. A culpa, segundo alguns jogadores, foi da altitude.

Veja também:

link Bolívia acaba com série invicta do Brasil ao vencer por 2 a 1

link Copa 2010: mais oito países estão classificados

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"É complicado fazer as jogadas na altitude, ainda mais para um jogador como eu, de velocidade", explicou Nilmar, autor do único gol do Brasil na tarde. "Mas ainda consegui fazer o gol e mais algumas outras jogadas", completou o atacante.

Já Daniel Alves, preferiu salientar o esforço do time. "O mais importante é que tentamos. Infelizmente não deu mesmo. É impressionante, como falta o ar aqui. Estamos todos exaustos", disse o lateral, que não pega a Venezuela na próxima quarta-feira pois está suspenso por ter tomado o seu terceiro cartão amarelo.

Companheiro e concorrente de Daniel Alves na posição, Maicon criticou as falhas de posicionamento da defesa nos gols da Bolívia. "Foi bastante complicado do ponto de vista físico, mas também não dá para botar toda a culpa na altitude. Tomamos dois gols em bobeiras na defesa, em jogadas de bola parada."

André Santos foi um dos que mais sofreu com a altitude. "Posso te falar que este foi o jogo que mais sofri na seleção, tanto pela falta de ar, quanto pela derrota. Nunca tinha jogado na altitude e não foi bom não. Não só pelo preparo físico, mas também pela velocidade da bola. Fui dar um passe para o Nilmar que estava do meu lado e a bola saiu pela linha de fundo", disse o lateral-esquerdo.

O camisa 6 ainda torce para que a atuação apagada do time não influencie nas futuras convocações. "Acho que este jogo não pode servir de referência para nada na seleção. Se jogarmos contra a Bolívia em qualquer lugar do mundo, garanto que ganharemos nove em dez partidas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.