Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Após derrota, Fábio Carille diz que reta final do Brasileirão será emocionante

No próximo domingo, equipe alvinegra encara o rival Palmeiras e corre o risco de perder a liderança

Estadao Conteudo

29 Outubro 2017 | 20h38

Mesmo diante do risco de o Corinthians perder a liderança do Campeonato Brasileiro para o Palmeiras na próxima rodada, o técnico Fábio Carille foi taxativo após a derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta, neste domingo, em Campinas (SP), ao afirmar que a equipe ainda merece ser campeã. "Quem está lá na frente? Então merece. Não existem primeiro ou segundo turno, são 38 jogos. Quem for melhor nos 38 jogos é o campeão", afirmou.

+ Veja como foi a partida entre Ponte Preta e Corinthians

+ Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Sem vencer há quatro rodadas, o Corinthians soma 59 pontos e o Palmeiras pode chegar a 56 se vencer o Cruzeiro nesta segunda-feira. No próximo domingo, as duas equipes se enfrentam no estádio Itaquerão. "O campeonato está aberto, sempre esteve aberto. Sempre falei, nunca esteve decidido. Faltam sete rodadas, vai ser bastante emocionante", disse o técnico Fábio Carille, após mais uma atuação ruim da equipe.

Com o time em má fase, o treinador reconhece que terá de trabalhar o lado psicológico do grupo para a equipe não chegar abatida no clássico. "O campeonato é assim, abrimos 14 pontos (11 na verdade) porque tivemos uma sequência de vitórias. É normal, com três vitórias você vai lá para cima. Mas, procurei controlar o emocional para o jogo e agora vamos trabalhar muito nesta semana", afirmou Carille. "Agora o clássico se torna mais do que decisivo".

Apesar da derrota, Carille elogiou o desempenho da equipe. Na sua opinião, o time jogou melhor do que nas últimas partidas. "O que me deixa mais contente é que o rendimento do time foi bom. A gente lutou, tentamos, deixei a equipe mais ofensiva, mas, infelizmente, não fizemos o gol".

O Corinthians, de fato, foi superior no segundo tempo, quando a Ponte Preta abdicou do ataque para segurar a vantagem construída na etapa inicial após o gol de cabeça de Lucca, aos 39 minutos. O problema é que o time insistiu demais nas jogadas pelo alto e, para piorar, o goleiro Aranha estava em uma tarde inspirada e fez pelo menos três grandes intervenções nos minutos finais. "O Aranha fez boas defesas, a gente finalizou. Acertamos o gol várias vezes e o Aranha foi muito feliz", lamentou Carille.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.