Lucas Merçon/Fluminense F.C.
Lucas Merçon/Fluminense F.C.

Após derrota, Fernando Diniz admite preocupação com série negativa do Fluminense

'Temos que corrigir as coisas que precisam ser corrigidas', explicou o treinador após tomar a virada do Vasco

Redação, Estadão Conteúdo

20 de julho de 2019 | 15h48

A campanha do Fluminense no Campeonato Brasileiro tem deixado a desejar. Quem admitiu isso foi o próprio técnico Fernando Diniz após a derrota no clássico deste sábado para o Vasco, por 2 a 1, de virada, em São Januário, pela 11ª rodada.

O treinador lembrou que teve baixas importantes no jogo, como os meias Allan e Paulo Henrique Ganso e o atacante Yony González, disse que as apresentações têm sido boas, mas admitiu que está preocupado com a sequência de seis jogos sem vencer no torneio nacional que deixou a equipe muito próxima da zona de rebaixamento.

"A pontuação preocupa muito. Hoje fazíamos uma boa partida dentro das circunstâncias. O Allan iria jogar e em cima da hora não pôde, o Yony saiu. O time está em constante mudança. Temos um volume de boas atuações que precisa ser traduzido dentro de campo. Temos de passar a ganhar jogos", reconheceu o treinador, em entrevista coletiva após a partida.

A última vitória do Fluminense foi sobre o Atlético Nacional, da Colômbia, por 4 a 1, no dia 23 de maio, pela Copa Sul-Americana. De lá para cá, são quatro derrotas e três empates. Fernando Diniz, porém, não joga a toalha.

"Sou um cara que entrega a vida para fazer o melhor nos times que estou. Vou perseverar. A maior responsabilidade (pela falta de resultados) é minha. Temos que corrigir as coisas que precisam ser corrigidas", comentou Diniz.

Com mais um revés sofrido, o time tricolor estacionou nos nove pontos e, na 16ª colocação, corre o risco de entrar na zona de rebaixamento no complemento da rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.