Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

Após derrota fora, Muricy diz que 'ainda não acabou'

Técnico do São Paulo diz que vai pressionar o Cruzeiro no Morumbi, para avançar na Copa Libertadores

AE, Agencia Estado

28 de maio de 2009 | 00h57

"Não acabou ainda, meu filho". Com esta declaração, o técnico Muricy Ramalho iniciou a entrevista coletiva após a derrota do São Paulo por 2 a 1 para o Cruzeiro, sofrida nesta quarta-feira pelo jogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores. O revés no Mineirão não foi suficiente para tirar a confiança do treinador são-paulino, mesmo com sua equipe tendo vencido apenas um dos últimos oito jogos que disputou - perdeu quatro e empatou outros três.

Veja também:

especialMais informações no canal especial da Libertadores

linkPara Muricy Ramalho, gol fora de casa pode fazer a diferença

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Tem outra [partida] ainda em casa", lembrou Muricy, que depende de uma vitória simples, por 1 a 0, para levar o São Paulo às semifinais. A confiança, no entanto, não impediu o treinador de admitir que a derrota não estava nos planos são-paulinos. "Não foi um grande resultado. A gente queria ganhar o jogo", disse o técnico, dando a receita para vencer o Cruzeiro no Morumbi. "A gente tem que apertar eles lá e buscar o resultado."

Para o jogo de volta, marcado para o dia 17 de junho, Muricy evitou projetar a utilização do meia Marlos, recém-contratado. "Depois a gente vê o que vai fazer", desconversou. Mas o técnico comentou sobre a possível convocação do zagueiro Miranda para a seleção brasileira, já que Alex, do Chelsea, foi cortado da lista. "Isso é uma situação complicada, mas eles também vão perder o Ramires", apontou. "Que é um jogador importante."

AINDA DÁ 

O sentimento de que a classificação à próxima fase da Libertadores ainda está nas mãos do São Paulo repercutiu também entre os jogadores. "Este gol vai nos dar tranquilidade para o jogo no Morumbi", indicou Richarlyson, apoiado em seu raciocínio por Jean. "O fator campo pesa muito num confronto como este. Vitória por 1 a 0 em casa nos dá a vaga, e temos todas condições para conseguir isso", disse o volante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.