Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Após derrota para Atlético-GO, São Paulo demite Adilson Batista

Técnico não resistiu à sequência de seis partidas seguidas sem vitória

AE, Agência Estado

16 de outubro de 2011 | 21h08

Adilson Batista não é mais o técnico do São Paulo. Após a equipe ser derrotada pelo Atlético-GO, por 3 a 0, na noite deste domingo, em Goiânia, a diretoria são-paulina optou pela demissão. Assim, o auxiliar Milton Cruz assume interinamente o comando até que um novo treinador seja contratado.

"O Adilson não é mais técnico do São Paulo na sequência da temporada. A partida contra o Atlético-GO era de suma importância e tivemos um resultado adverso. O trabalho se encerra no dia de hoje", disse o diretor de futebol do clube, Adalberto Baptista, ao anunciar a demissão do treinador.

Depois de passagens curtas e frustrantes por Corinthians e Santos, Adilson Batista assumiu o comando do São Paulo em julho - estreou justamente contra o Atlético-GO, com um empate de Morumbi. Ao todo, ele ficou 22 jogos no cargo, conseguindo sete vitórias, nove empates e seis derrotas.

Mas nunca conquistou a confiança da torcida são-paulina. Agora, quando já soma seis jogos sem vitória, a pressão ficou insuportável - o time caiu para o sexto lugar no Brasileirão, com 48 pontos, e ficou longe da briga pelo título. Por isso tudo, a diretoria optou pela demissão de Adilson Batista.

Em um pronunciamento após a partida deste domingo, no vestiário do Serra Dourada, Adilson Batista se despediu pedindo desculpas ao torcedor são-paulino. "Futebol é resultado. Infelizmente, o nosso segundo turno não tem sido dos melhores", admitiu o treinador. "A bola comigo não está entrando."

"Peço desculpas ao torcedor são-paulino. Eu entendo a revolta deles", afirmou Adilson Batista, que também aproveitou o rápido pronunciamento para agradecer ao clube. "Gostaria de agradecer ao São Paulo pela oportunidade. Me dediquei ao máximo, mas infelizmente não foi possível."

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.