Ricardo Duarte / S. C. Internacional
Ricardo Duarte / S. C. Internacional

Após desastre no Ceará, vice do Internacional garante a permanência de Ramírez

Técnico está pressionado após derrota na final do Campeonato Gaúcho e começo ruim no Brasileirão

Redação, Estadão Conteúdo

06 de junho de 2021 | 21h25

A goleada sofrida pelo Internacional para o Fortaleza por 5 a 1, neste domingo, na Arena Castelão, caiu com um desastre nos lados colorados. Nenhum jogador falou ao deixar o campo e uma longa conversa entre eles aconteceu nos vestiários. Coube ao vice-presidente João Patrício Herrmann a missão de responder à imprensa sobre o futuro do técnico Miguel Ángel Ramírez, pelo menos por enquanto mantido no cargo.

"Foi um baque muito grande, mas o trabalho vai continuar. O Miguel tem nosso respaldo, tem trabalhado diuturnamente para acertar o time, junto aos atletas para buscar, conosco, soluções para o time. Em alguns momentos, este ano, nós tivemos algumas dificuldades. Elas aparecerem, mas conseguimos reverter", comentou o dirigente, completando com a seguinte frase: "Não acho que o Ramirez é inflexível".

Mas algumas frases do dirigente soaram como alerta ao técnico e também ao futuro do futebol do clube nesta temporada, marcada por dificuldades financeiras. Várias vezes ele ressaltou que aconteceram erros internos e que existem erros de planejamento.

"É um resultado constrangedor, mas a gente não pode sair daqui sem estas lições. É preciso entender a cultura gaúcha e a história do Internacional", pontuou Herrmann, reconhecendo que a goleada foi vergonhosa. "Estamos envergonhados com o que aconteceu hoje. Seguramente é a maior vergonha que eu passei no Internacional como dirigente. Peço desculpas à torcida e aos associados. Uma derrota que envergonha a todos".

Por fim, ele prometeu mudanças em breve. "As alterações estão sendo feitas há algum tempo. Sentimos que este modelo parou de evoluir e precisamos ajustar isso o mais rapidamente possível. Será duro nos próximos dias e estamos sensíveis a todas manifestações", concluiu.

O que ficou claro, segundo o dirigente, foi o erro de poupar sete titulares desde o início neste jogo por causa do confronto de volta com o Vitória, pela Copa do Brasil, somente na outra quinta-feira. Além de ter um tempo de recuperação, o time largou na terceira fase em vantagem ao vencer o time baiano por 1 a 0, em Salvador, portanto, pode empatar agora no Beira-Rio para chegar às oitavas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.