Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Após eliminação, Dunga quer repensar o futebol brasileiro

Para treinador, é preciso humildade para reconhecer nível dos rivais

ALMIR LEITE E GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

27 de junho de 2015 | 22h45

Apesar do fracasso precoce na Copa América, o treinador Dunga vê a necessidade se repensar o futebol brasileiro. Depois do vexame da derrota na Copa do Mundo por 7 a 1 para a Alemanha, a equipe caiu na Copa América nas quartas de final. Além disso, a eliminação faz com que pela primeira vez na história a seleção fique fora da Copa das Confederações. O Brasil havia participado das sete edições do torneio, disputado desde 1997.

"Meu diagnóstico é que todos temos que pensar no futebol brasileiro, não só no campo. A gente não pode deixar de notar que outras seleções melhoraram, até pelo intercâmbio, e nós temos a humildade de arregaçar as mangas e trabalhar. "A gente precisa ter um novo conceito no Brasil de que um jogador joga bem dois jogos e já é um craque. A gente tem que ser mais objetivo nas análises. E saber que a gente vai ter muito trabalho pela frente", completou.

Apesar da necessidade de reflexão, Dunga afirmou que o saldo é positivo para as Eliminatórias da Copa de 2018, a próxima competição que a seleção brasileira vai disputar. "Foi uma ótima lição e ótimo aprendizado para as eliminatórias da Copa do Mundo, que continuam sendo o principal objetivo da seleção brasileira", disse.

"O Brasil teve seleções fantásticas, mas ficou 40 anos sem conquistar a Copa América. Disputar uma competição como essa depois da Copa é muito difícil. Além disso, perdemos cinco jogadores e entrar sem eles é uma falta importante", concluiu o treinador referindo-se à ausência de Neymar (suspenso), além de Luiz Gustavo, Marcelo, Oscar e Danilo (contundidos).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.