Frederico Tadeu / Avaí FC
Frederico Tadeu / Avaí FC

Após eliminação na Copa do Brasil, Claudinei Oliveira deixa o comando do Avaí

Treinador estava há dois anos no clube, mas fase do time é muito ruim

Estadão Conteúdo

19 de abril de 2018 | 10h46

Claudinei Oliveira não é mais técnico do Avaí. Após a derrota por 2 a 0 para o Goiás, sofrida na noite de quarta-feira, no Serra Dourada, em Goiânia, e a consequentemente a eliminação na quarta fase da Copa do Brasil, o treinador se reuniu com a diretoria do clube catarinense e chegou a um acordo para deixar o cargo.

+ Vila Nova leva a melhor sobre o Avaí em jogo truncado no Serra Dourada

Ele vinha de oito jogos sem vitórias à frente da equipe, não conseguiu a classificação para a final do último Campeonato Catarinense e perdeu por 1 a 0 para o Vila Nova na estreia da Série B do Brasileiro, no último sábado, também na capital goiana.

Até ter a sua demissão confirmada, Claudinei era no futebol brasileiro um dos treinadores há mais tempo no cargo em um mesmo time. Assumiu o Avaí em agosto de 2016 na briga pelo acesso à elite nacional e conseguiu levar o time até a vice-liderança da Série B do Campeonato Brasileiro naquela temporada, subindo para a primeira divisão.

No ano seguinte, o treinador foi vice-campeão estadual ao ser batido na decisão pela Chapecoense e quase escapou do rebaixamento no Brasileirão, mas o Avaí empatou por 1 a 1 com o Santos na última rodada da competição e acabou retornando para a Série B.

Neste ano, ele conviveu com dois extremos. Conseguiu fazer o Avaí eliminar o Fluminense na Copa do Brasil com duas vitórias, no Rio de Janeiro e em Florianópolis, mas não repetiu o mesmo desempenho no Catarinense. Contra os principais rivais, o comandante só pôde comemorar duas vitórias sobre o Joinville e um triunfo diante do Criciúma - ainda empatou duas vezes com o Figueirense e perdeu para a Chapecoense. Assim, a sua equipe terminou o Catarinense apenas na sexta posição.

Nestes dois anos à frente do Avaí, Claudinei somou 102 partidas, com 44 vitórias, 29 empates e 29 derrotas, o que resultou em um aproveitamento de um pouco mais de 52%.

Agora sem treinador, o time precisa juntar os cacos antes de voltar a atuar, neste sábado, contra o Brasil de Pelotas, às 16h30, na Ressacada, em Florianópolis, pela segunda rodada da Série B. A diretoria já está em busca de um novo técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.