Após eliminação, presidente do Palmeiras elogia postura da equipe

Segundo ele, os jogadores não tinham motivo para ficarem de cabeça baixa

MARCIUS AZEVEDO, Agência Estado

27 de abril de 2013 | 19h54

SANTOS - O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, saiu em defesa do elenco depois da eliminação para o Santos nas quartas de final do Campeonato Paulista, ocorrida neste sábado, na Vila Belmiro. Segundo ele, os jogadores não tinham motivo para ficarem de cabeça baixa.

"Toda desclassificação não pode ser positiva, mas o Palmeiras caiu de pé...", afirmou o dirigente, que concedeu entrevista coletiva logo após a derrota da equipe nos pênaltis. O tempo normal terminou empatado por 1 a 1.

Paulo Nobre revelou que fez questão de aguardar os jogadores na entrada do vestiário para cumprimentá-los. "Os jogadores demonstraram empenho. O Palmeiras 2013 é isso, sangue na veia. Estou com orgulho do grupo, fiz questão de cumprimentar todos eles..."

"Jogar na Vila Belmiro não é fácil. Todos sabem disso. O Palmeiras cumpriu o seu papel", completou o presidente, que elogiou o comportamento até de quem não esteve em campo. O dirigente enalteceu o fato de que os jogadores que estavam lesionados, entre eles Fernando Prass e Valdivia, além dos que não foram relacionados, estiveram com o grupo em Santos.

"O Valdivia estava aqui, o Prass... Todo mundo dando força. Essa unidade que me deixa satisfeito", afirmou Paulo Nobre, que se disse otimista para o jogo contra o Tijuana.

O Palmeiras enfrenta os mexicanos na terça-feira, no México, na partida de ida das oitavas de final da Libertadores. "Lá teremos de ter esta característica de sangue na veia do começo ao fim. Mas confio neste time porque são jogadores que têm vergonha na cara"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.