Após eliminação, São Paulo pensa no clássico contra o Santos

Equipe tricolor precisa de um bom resultado no jogo de domingo para manter luta pelas primeiras colocações

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

28 de agosto de 2008 | 09h43

A eliminação na Copa Sul-Americana não causou nenhuma dor de cabeça no São Paulo. No clube, a preocupação de todos é o Campeonato Brasileiro e por isso todas as atenções estão voltadas para o clássico do próximo domingo no Morumbi, contra o Santos, que busca fugir da zona de rebaixamento.Veja também: Zé Luís pode voltar ao São Paulo contra o Santos Miranda deve voltar ao São Paulo contra o Santos Muricy diz que experiência foi importante para os garotos Garotos do São Paulo lamentam eliminação nos pênaltis Botafogo goleia Atlético-MG e avança na Sul-Americana Apesar de eliminação, Muricy elogia jovens do São Paulo Atlético-PR conseguiu resultado histórico, diz técnico Tabela da Copa Sul-Americana Ouça os gols no Território Eldorado/ESPN Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Acho que não há favoritos nesta partida, clássico é clássico. O Santos está melhorando e nós também temos evoluído", afirmou o técnico Muricy Ramalho. Uma das principais preocupações do treinador é quem colocar no lugar do meia Hugo, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. "Não há tantas possibilidades nesta posição, ele é diferenciado. Não é um grande armador de jogadas, mas define, vai para a área e chuta, e nós não temos ninguém parecido no elenco", lamentou.No entanto, para o confronto, o São Paulo contará com o retorno do volante Hernanes, que defendeu a seleção brasileira na conquista da medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim. "Fora isso, não haverá novidades na equipe", declarou Muricy.O treinador são-paulino também falou sobre a possibilidade de perder mais jogadores na temporada. Nesta terça-feira, o zagueiro Alex Silva foi negociado com o Hamburgo, da Alemanha. "Por parte da diretoria ninguém falou nada, acho que está muito em cima da hora (a janela do mercado europeu fecha no próximo dia 31). Eu não acredito que saia mais ninguém, não há negociação", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.