Peter Powell/EFE
Peter Powell/EFE

Após eliminação, técnico da Suécia aposta na Inglaterra como campeã

Janne Andersson vê suecos com boas chances de marcar, mas admite que rival foi melhor em campo

Gonçalo Junior, enviado especial / Samara, O Estado de S.Paulo

07 Julho 2018 | 15h10

O técnico da Suécia, Janne Anderson, reconheceu a superioridade da Inglaterra na derrota por 2 a 0 e ainda foi mais longe: acredita que o rival tem condições de vencer a Copa do Mundo. "É um time muito forte, organizado e que não nos deu muito espaços. Encontrei um rival que foi melhor e que tem chances de conquistar o título", afirmou o treinador em entrevista coletiva, em Samara.

+ Inglaterra derrota a Suécia e garante vaga na semi

+ Saiba quais serão os horários das semifinais

+ Veja quem são os artilheiros da Copa do Mundo

A Inglaterra sofreu pouco no jogo deste sábado, valendo vaga na semifinal. Desde o início, colocou em campo a superioridade técnica e impôs seu jogo. A Suécia teve oportunidades para empatar e também para diminuir o placar, mas parou na boa atuação do goleiro Jordan Pickford, que fez três grandes defesas. "Nós criamos e tivemos chances de marcar, mas não conseguimos", disse o treinador.

Apesar da eliminação, o treinador destacou a grande campanha da Suécia, que se classificou no grupo que tinha Alemanha, México e Coreia do Sul e ainda superou a Suíça nas oitavas de final. Foi a primeira vez desde 1994 que os suecos chegam às quartas de final.

"Fizemos uma grande Copa do Mundo. Superamos expectativas, muitos não acreditavam que pudéssemos chegar tão longe", afirmou o treinador, que preferiu não comentar sobre as perspectivas - ele ainda tem dois anos de contrato como técnico da seleção.

 

Sem o astro Zlatan Ibrahimovic, que não foi convocado, a Suécia apostou no jogo coletivo. O craque do time, Emil Frosberg, teve atuação apagada na derrota para a Inglaterra - nas oitavas de final havia sido decisivo com bons passes e o gol da classificação.

O atacante Berg foi o jogador mais lúcido da seleção sueca, mas parou na grande atuação do goleiro. "Fico triste que ele não tenha feito gols, mas ele deu uma contribuição importante para o time", elogiou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.