Mark Ralston/AFP
Mark Ralston/AFP

Após eliminação, técnico diz que Polônia buscará vitória 'pela honra'

Com duas derrotas em dois jogos, Adam Nawalka reconhece que a campanha da seleção polonesa decepcionou todo mundo

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 18h50

A Polônia fecha sua participação na Copa do Mundo da Rússia nesta quinta-feira, às 11 horas (de Brasília), em Volgogrado, contra o Japão, pelo Grupo H. Sem chances de classificação após duas derrotas, para Senegal (2 a 1) e Colômbia (3 a 0), os poloneses querem complicar a vida dos japoneses, que lideram a chave com quatro pontos, mas ainda não garantiram vaga às oitavas de final.

+ Com Polônia eliminada, Lewandowski vê chance de se redimir em duelo com Japão

+ Meia do Japão cobra evolução para selar vaga nas oitavas com tranquilidade

+ Zagueiro japonês diz que ausência de um craque uniu a seleção do país

O técnico Adam Nawalka disse que o time tem de jogar "pela honra". "Decepcionamos os torcedores e a nós mesmos. Percebemos que agora estamos jogando por honra e alguma alegria para os fãs. É por isso que estamos todos de mãos dadas", ressaltou. "Respeitamos o time japonês, mas acreditamos que iremos vencer", completou o treinador, em entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira em Volgogrado.

O Japão tem quatro pontos, mesma pontuação de Senegal. Os africanos encaram os colombianos, que têm três pontos, no outro jogo que fechará o Grupo H do Mundial nesta quinta-feira. O trio de seleções briga por duas vagas à próxima fase.

Fora dessa disputa, a Polônia busca um alento à torcida, segundo o experiente lateral Jakub Blaszczykowski, de 32 anos, concordando com Nawalka. "Não é um momento fácil para nós, especialmente do ponto de vista mental. Todos sabemos que falhamos. Tivemos nossos sonhos, mas não conseguimos realizá-los. O jogo contra o Japão é muito importante para nós, pois precisamos provar que nós somos a equipe que nunca desiste", disse o jogador do Wolfsburg nesta quarta-feira.

 

Blaszczykowski recordou das últimas campanhas da seleção para mostrar otimismo. "Nós demos muita alegria aos poloneses nos últimos quatro anos. Nós não demos aos fãs essa felicidade aqui. Nós queremos mudar isso amanhã", reforçou.

O lateral referiu-se à Eurocopa de 2016, quando a Polônia caiu nas quartas de final, e às Eliminatórias Europeias da Copa da Rússia, em que os poloneses se classificaram em primeiro lugar do Grupo E, com oito vitórias, um empate e uma derrota, em dez jogos.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.