Após eliminação, Zaccheroni admite deixar o Japão

Técnico não escondeu que ficou desapontado com a campanha japonesa na Copa; equipe somou apenas um ponto em três jogos

Agência Estado

24 de junho de 2014 | 21h10

O Japão se despediu nesta terça-feira da Copa do Mundo, ao perder por 4 a 1 para a Colômbia, na Arena Pantanal, em Cuiabá. Depois de terminar na lanterna do Grupo C, com apenas um ponto ganho em três jogos (antes, empatou com a Grécia e perdeu para a Costa do Marfim), o técnico italiano Alberto Zaccheroni admitiu que pode deixar o comando da seleção japonesa.

"Vou conversar com a direção (da Federação Japonesa de Futebol) e informar vocês (jornalistas) se vou continuar ou não (no cargo)", afirmou Zaccheroni, durante a entrevista coletiva depois do jogo em Cuiabá. Com passagens por clubes como Milan e Juventus, o italiano de 61 anos comanda o Japão há quatro anos, tendo sido campeão da Copa Asiática de 2011.

Zaccheroni não escondeu que ficou desapontado com a campanha japonesa na Copa. "Deixamos a desejar nos dois primeiros jogos. Melhoramos no terceiro, mas enfrentamos um time que tem um grande potencial para ir bem longe na competição", avaliou o técnico italiano, ao elogiar a Colômbia, seleção que avançou na liderança do Grupo C, com 100% de aproveitamento.

"Nos dois primeiros jogos, não conseguimos jogar o que normalmente jogamos. Poderíamos ter feito muito mais. Tenho certeza de que trouxe comigo um grande grupo aqui para o Brasil, que poderia ter feito muito mais", lamentou Zaccheroni, que também assumiu sua parcela de culpa pelo fracasso japonês. "E eu, como técnico, assumo minha responsabilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.