Leonardo Benassatto/Reuters
Leonardo Benassatto/Reuters

Após empate, corintianos reclamam da arbitragem por erros cometidos no clássico

'Fica complicado, todo jogo os árbitros errando contra o Corinthians', declara Jadson

O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2018 | 20h59

Os jogadores do Corinthians não pouparam críticas ao árbitro Rodolpho Toski Marques após o empate por 1 a 1 com o São Paulo no clássico deste sábado em Itaquera. Os jogadores reclamaram de um gol de Danilo que não foi validado pela arbitragem no primeiro tempo (as câmeras de teve apontaram que a bola entrou). O time da casa também reclamou de um pênalti em Romero não marcado pelo juiz. O time atuou com dez jogadores na etapa final - Araos foi expulso no fim do primeiro tempo.

"Acho que a equipe fez um bom primeiro tempo quando estava igualado o número de jogadores. Tivemos um gol legítimo anulado. Fica complicado, todo jogo os árbitros errando contra o Corinthians. Isso está virando costume. Mesmo com um jogador a menos fomos em busca da vitória, infelizmente no finalzinho tomamos o gol. É levantar a cabeça e continuar trabalhando", disse o meia Jadson.

Na última partida antes do clássico, que terminou em derrota para o Botafogo, no Rio, os corintianos já haviam reclamado de um pênalti em Roger, também derrubado dentro da grande área, e o time corintiano perdeu por 1 a 0.

O volante Ralf, autor do gol do Corinthians, lembrou ainda de um lance em que a bola teria batido na mão do zagueiro Arboleda. "Não era o que a gente esperava hoje. Com um a menos é difícil de jogar com um time com a qualidade do São Paulo. Se for falar no geral, foi injusto. Tivemos a bola do Danilo e do Arboleda", disse o volante.

Com o resultado, o Corinthians chega aos 40 pontos, mas ainda corre risco matemático de ser rebaixado. Na próxima partida, o time de Jair Ventura vai enfrentar o Cruzeiro, fora de casa, no confronto que marcará o reencontro entre os dois finalistas da última edição da Copa do Brasil, conquistada pela equipe mineira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.