Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Após empate em estreia, Felipão promete que Palmeiras vai render mais

Alviverde fica no 0 a 0 com o América-MG, fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2018 | 19h25

Luiz Felipe Scolari não gostou muito do empate sem gols do Palmeiras contra o América-MG, mesmo fora de casa, mas elogiou o desempenho de seus jogadores que entraram em campo na tarde deste domingo no estádio Independência, em Belo Horizonte. Depois da partida, o técnico explicou porque começou a partida com apenas dois jogadores que vinham atuando como titulares e prometeu ao torcedor palmeirense que o time vai render muito mais.

+ TEMPO REAL - América-MG x Palmeiras

+ TABELA - Classificação do Campeonato Brasileiro

"Pode esperar uma equipe bem organizada. Vamos começar a ter algumas substituições futuras para determinadas situações que eu já aproveitei o jogo e vi. E vamos ser uma equipe aguerrida", afirmou.

O segundo 0 a 0 consecutivo deixou a torcida frustrada, mas o técnico preferiu elogiar a disposição tática do time. "Não conseguimos o resultado que queríamos, mas taticamente gostei. Devido às circunstâncias do jogo quinta-feira, jogar no domingo, temos estudos que provam que um grupo de trabalho sente o jogo de quinta jogando no domingo. Se tivesse jogado quarta seria melhor", afirmou Felipão.

"Tínhamos de fazer algumas mudanças, colocar uma equipe que fosse taticamente inteligente. O América-MG tem um sistema bem interessante com o Adilson. Ainda penso que posso trabalhar com eles essa parte de ser mais ânsia de fazer os gols e vencer os jogos. Gostei", reiterou o treinador.

Para poupar os jogadores, exames foram realizados de forma preventiva. Tudo para que Felipão tenha o elenco inteiro em mãos para a partida de quinta-feira, contra o Cerro Porteño, no Paraguai, pelas oitavas de final da Copa Libertadores.

"Primeiro, pegamos a parte da fisiologia, tiramos alguns que tinham déficit fisiológico, não poderíamos correr riscos. Depois, fomos montando a equipe baseado na equipe do Adilson. Precisamos utilizar Moisés e Bruno Henrique um pouco, precisava dar ritmo ao Borja...", disse. "Tudo isso foi pensado antes do jogo. Tudo correu certo. Faltou o gol. Mas de sexta para sábado foi um pouco de conversa, sábado um treino tático e agora é a evolução dia a dia do que eu gosto. E ver se a gente consegue atingir detalhes que hoje não conseguimos", contou o técnico.

Mesmo com a Libertadores em vista, Felipão insistiu que não vai priorizar a competição internacional. "Quando fomos contratados, falamos bastante sobre isso. Uma situação que pensamos ao voltarmos ao Palmeiras é que estamos disputando Libertadores, Copa do Brasil e Brasileiro em boas condições. Isso nos dá com a equipe que temos, com a estrutura que o Palmeiras oferece, condição de enxergamos a final de uma Libertadores, vencendo, e depois seguir até o Mundial. Esse foi meu primeiro pensamento ao receber o comunicado do Palmeiras. É assim que vamos fazer."

Especificamente em relação ao compromisso contra o time paraguaio, Felipão fez sua projeção. "Precisamos pensar em ganhar o jogo mesmo que seja no Paraguai, mesmo que a equipe do Cerro esteja em primeiro no campeonato, seja uma excelente equipe. Acho que esse grupo pensa dessa forma, mas precisa de um incentivo. Precisa que a gente coloque algumas coisas que eles possam pensar sobre como é bonito chegar à final de uma Libertadores. E dá. Pelo que a gente tem, dá. A estrutura do Palmeiras hoje é muito boa. Somos 27 ou 28 jogadores e vou usar todos na medida do possível", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.