Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Após empate, Fábio Carille admite que Corinthians precisa melhorar no ataque

'Precisamos pensar rápido, terminar melhor no terço final. Fazer a escolha melhor, um cruzamento melhor, uma finalização melhor', explicou o técnico

Dani Arruda, especial para a AE, Estadão Conteúdo

20 Janeiro 2019 | 20h49

Começo de temporada do Corinthians, primeiro jogo oficial do ano, mas Fábio Carille já sabe que terá trabalho para fazer engrenar aquilo que chamou de "terço final" do time corintiano. O treinador se refere ao seu setor ofensivo, do meio de campo para frente. No empate por 1 a 1 contra o São Caetano, na Arena Corinthians, em São Paulo, a equipe voltou a apresentar o DNA do seu treinador: organizado, seguro na defesa, teve posse de bola superior a 70%, mas pecou (e muito) quando esteve próximo do gol adversário. Encontrou dificuldades para criar e, quando o fez, as finalizações decepcionaram.

"Estamos no caminho certo, não tem de cobrar. Precisamos pensar rápido, terminar melhor no terço final. Fazer a escolha melhor, um cruzamento melhor, uma finalização melhor. É o próximo passo para trabalhar com os jogadores", admitiu o treinador.

Dos oito atletas contratados, cinco deles estiveram em campo: Sornoza, Richard, Ramiro e André Luis começaram como titulares; Gustavo Silva entrou no segundo tempo e Michel Macedo ficou como opção no banco de reservas. No intervalo, o atacante argentino Boselli e o zagueiro Manoel foram apresentados à torcida.

Com tantas mudanças entre jogadores chegando e deixando o clube, Fábio Carille admitiu que terá trabalho para "reconstruir" o Corinthians nesta temporada.

"Dá trabalho, mas é um dever nosso. Estou feliz de estar tendo ideias, principalmente defensiva. Ano passado o clube tomou muitos gols. Agora já temos uma organização legal. Temos tudo para crescer. Eu, com a comissão e a diretoria, estamos satisfeitos com o início de trabalho e a tendência é que cresça a cada jogo", previu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.