Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Após empate, Leandro Damião lamenta bolas na trave

Atacante brasileiro teve duas boas chances diante da Argentina, mas ficou no 'quase'

Daniel Batista, Agência Estado

15 de setembro de 2011 | 00h01

CÓRDOBA - Apesar da atuação apática de toda a equipe, o atacante Leandro Damião sobressaiu com duas bolas na trave que poderiam ter dado a vitória ao Brasil. "Tive duas chances de fazer o gol e não pude marcar. Mas agora sabemos que tem o segundo jogo em casa e vamos tentar vencer", disse o jogador, referindo-se à partida do dia 28, em Belém.

A primeira bola na trave foi logo no início da partida, quando recebeu um passe de Neymar e mandou para o gol. A segunda acabou sendo construída em jogada individual. E foi uma pintura. Irritado com a marcação dura dos argentinos, pegou a bola pela esquerda, puxou para o alto de calcanhar e deu um chapéu no marcador. Entrou livre na área e tocou, mas a bola novamente bateu na trave.

"Esse drible o pessoal chama de lambreta, carretilha. Eu já tinha feito antes. É uma jogada que eu tento fazer para ajudar a equipe", explicou.

O feito chamou atenção de seus companheiros, principalmente de Oscar, que atua com o jogador no Internacional. "Fomos bem, tivemos oportunidade de fazer o gol, mas duas bolas bateram na trave e por detalhes não saímos com a vitória. Jogar aqui na Argentina é difícil", comentou o meia, que fez sua estreia na seleção principal.

Veterano da seleção, Ronaldinho Gaúcho disse ter ficado satisfeito com sua atuação nesta quarta. "Era difícil jogar por causa da falta de entrosamento, mas acho que fui bem. Agora vamos jogar em casa diante de nossa torcida e com certeza o rendimento será melhor", projetou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasilArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.