Arquivo/AE
Arquivo/AE

Após empate, Mancini não fará mudanças no Santos

Treinador pretende manter o mesmo time para o jogo diante da Portuguesa na próxima quinta-feira

Sanches Filho, Agencia Estado

29 de março de 2009 | 16h12

SANTOS - O técnico Vagner Mancini considerou normal a queda de produção do Santos no empate por 0 a 0 com o Barueri, no sábado, fora de casa, e não fará mudanças para o clássico com a Portuguesa, quinta-feira à tarde, na Vila Belmiro.

Veja também:

linkSantos não sai do zero em Barueri e se complica no Paulistão

tabela Campeonato Paulista - Classificação 

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

O treinador gostou da produção dos três jogadores que entraram no segundo tempo, destacando que Pará, Molina e Roni foram bem e criaram oportunidades de gol, mas prefere manter a escalação em busca de regularidade de produção.

Na volta aos treinos, na segunda-feira, Mancini vai analisar para o grupo o comportamento da equipe na partida de sábado, mostrando acertos e erros, dando atenção especial a dois jogadores: o mais novo dos titulares, o garoto Neymar, e o mais experiente, Kléber Pereira.

"Por mais que o técnico estabeleça uma estratégia de jogo e oriente os atletas, em campo é preciso que eles façam a sua leitura do que acontecendo", ensinou o treinador, referindo-se ao Neymar. Mancini acha normal que o garoto vá muito bem num jogo na Vila Belmiro, como contra o Santo André, no meio da semana passada, e depois se perca diante de uma marcação mais pesada como a do Barueri, no sábado.

"Mas ele poderia dificultar a marcação do adversário se procurasse jogar pelos lados do campo", explicou o treinador, que também não gostou de ver o menino tentar driblar adversários no campo santista. "É perigoso demais", alertou o treinador.

Percebendo que cresce a pressão de parte da torcida contra Kléber Pereira, Mancini sai em defesa do atacante. "O momento não é de queimá-lo e, sim, de apoiar e dar a mão ao nosso artilheiro", pregou o técnico. "Não vamos colocar ninguém contra a cruz agora. Só insisto com ele para que jogue mais perto da área, onde é um dos jogadores mais temidos do futebol brasileiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.