Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Após empate no Rio, Dorival valoriza sequência invicta do São Paulo na temporada

Para o técnico, time ainda precisa afastar de vez o fantasma do rebaixamento

O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2017 | 20h02

O técnico Dorival Júnior não quer falar de uma disputa por vaga na Copa Libertadores do próximo ano. Para o treinador, o São Paulo precisa ainda afastar de vez o fantasma do rebaixamento no Campeonato Brasileiro para só depois pensar em outros objetivos mais expressivos. Com o empate por 1 a 1 com o Vasco, neste domingo, em São Januário, no Rio, a equipe chegou aos 45 pontos na tabela de classificação.

+ De dispensável a destaque, Deyverson marca duas vezes e Palmeiras bate o Flamengo

+ Sem inspiração, São Paulo empata com Vasco por 1 a 1 em São Januário

"Buscamos os três pontos, mas no segundo tempo o Vasco melhorou. Houve um desgaste grande pelo jogo na quinta e saí satisfeito com o que o time vem produzindo, jogando de uma maneira segura. Esse era o momento que a gente queria que chegasse. São cinco jogos de invencibilidade e só vamos buscar algo a mais quando estivermos tranquilos em relação a Z4", avisou.

O treinador sabe que as dificuldades ainda são grandes, até porque o time vem de dois empates no torneio, o que fez com que o time não subisse tanto na classificação. "Nossa realidade é primeiro sair dessa condição. Vivemos um momento difícil no campeonato e aos poucos a equipe vai se equilibrando. Depois disso podemos pensar em algo a mais. Vamos esperar que a rodada finalize", comentou.

Na quarta-feira o São Paulo vai visitar o Grêmio, em Porto Alegre, para tentar manter essa invencibilidade de cinco jogos e continuar pontuando. Depois, vai receber o Botafogo, no Pacaembu. Dorival enalteceu o comportamento da torcida do São Paulo, que tem enchido os estádios quando o time atua em casa e demonstrado apoio mesmo com a pontuação baixa no Brasileirão.

"A torcida do São Paulo tem feito a diferença. Em momento nenhum ela foi agressiva e violenta. Mostrou outra forma de agir, respeitando sempre, buscando incentivar. Foi fundamental na recuperação da equipe. Isso é muito pouco falado, às vezes as agressões são muito valorizadas. A postura deles deveria ser enaltecida", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.