Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Após empate, palmeirenses apostam no confronto direto com Corinthians

Cinco pontos atrás, Palmeiras tem o clássico pela frente no domingo, em Itaquera

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 22h48

Os jogadores do Palmeiras não conseguiram esconder a decepção após o empate por 2 a 2 com o Cruzeiro. Embora repetissem que o foco principal do time é consolidar uma vaga na Libertadores do ano que vem, os jogadores mostraram um semblante de frustração, em maior ou menor grau. 

+ TEMPO REAL: Confira como foi o empate entre Palmeiras e Cruzeiro

+ Palmeiras empata com Cruzeiro e perde chance de colar no Corinthians

"Nós estávamos em um momento bom e conseguimos tirar um ponto ainda. Está bom. Nosso foco é o G-4. O time vai lutar até o final", disse o capitão Dudu. 

Para o meio Tchê Tchê, a expectativa criada em torno da possibilidade da vitória, que diminuiria a diferença para o líder Corinthians para três pontos, foi mais externa do que interna. "Foi criada uma expectativa de fora. Nosso objetivo é G-4", disse o meia, que afirmou que torneio ainda está aberto. 

"Se a gente conseguir uma vitória lá (em Itaquera), a gente volta para o campeonato novamente. Não é de todo mal esse resultado aqui. Saímos duas vezes atrás no placar e conseguimos empatar. Infelizmente, não foi o resultado que a gente queria e, por isso, a gente sai triste daqui", completou. 

O lateral Egídio também destacou o poder de recuperação do Palmeiras, que esteve no placar em duas oportunidades. "Os dois gols que a gente levou deixaram o time ansioso. Não foi um jogo mal jogado da nossa parte, tivemos mais posse de bola e mais volume. Foi um jogo difícil, jogo de time grande. Mais um pouquinho e nós conseguiríamos a virada. Ainda dá para a gente ir buscar. Ainda faltam seis, sete jogos. Mas o nosso foco principal é o G-4", disse o lateral.

"A gente fica um pouquinho chateado, mas poderia ser pior, a diferença poderia ficar em seis pontos. Vamos jogo a jogo, quem sabe dê para pensar em algo mais que o G-4", completou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.