Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Após empate, Tiago Nunes elogia produção ofensiva do Corinthians

Treinador aponta necessidade de os jogadores finalizarem com mais eficiência e comenta sobre as críticas da torcida

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2020 | 01h04

O técnico Tiago Nunes ficou insatisfeito com o empate do Corinthians por 1 a 1 com o Santo André nesta quarta-feira, em Itaquera. No entanto, o treinador aprovou a produção ofensiva da equipe em casa. Na avaliação do comandante corintiano, o que tem faltado é uma maior eficiência nas conclusões. Diante do Santo André, o time finalizou bastante e acertou a trave com Boselli, por exemplo.

"Mesmo com o campo molhado, poderíamos ter vencido. O Corinthians finaliza muito. Nosso time tem problema com o aproveitamento. Adversários criam pouquíssimas chances e fazem o gol. Estamos tentando achar um padrão nos gols sofridos. A gente produz para vencer, mas falta o detalhe do gol. Esse é o sentimento: poderíamos ter feito mais gols. Somente com persistência e repetição é que podemos sair dessa", avaliou o treinador na entrevista após a partida.

Há pouco tempo no Corinthians, Tiago Nunes já está pressionado no cargo em razão dos resultados adversos em sequência - já são quatro jogos sem vitória. O treinador foi um dos alvos de um protesto nesta quarta-feira realizado por torcidas organizadas que também direcionaram cobranças à diretoria e ao elenco. Love negou que o time faça corpo mole.

"O momento ruim é difícil para o torcedor, já fui na arquibancada e sei como é sofrido. Quero xingar todo mundo. Dizer que falta raça, falta determinação. Temos de ter respeito ao torcedor, mas sabendo que podemos tomar decisões que nem sempre são populares. Torcedor vem para ver o time vencer. Trabalhamos para o torcedor", destacou Tiago, que voltou a comentar sobre a reformulação em curso no clube. "Estamos mudando jogadores, reaproveitando outros. Estamos tentando reestruturar. Precisamos dar sequência para uma ideia. Não adianta cair na cilada de mudar cada coisa que não dá certo".

Assim como boa parte dos jogadores, Tiago Nunes também ficou descontente com o desempenho da drenagem do gramado da Arena em Itaquera, que não suportou a forte chuva e permitiu que fossem formadas inúmeras poças d'água. No entanto, ele não quis culpar a drenagem pelo resultado ruim.

"Foi a primeira vez que viram o gramado nesse estado, muita chuva em tão pouco tempo durante o jogo. Tivemos de mudar tudo. Arremessar direto a bola. Colocamos o Gil de centroavante. O gramado estava muito molhado, deixou o jogo impraticável na parte técnica. Ficou jogo coração", afirmou o técnico, para logo fazer uma ponderação na sequência. "Lembrei da segundona gaúcha. Joga a bola lá em cima. Futebol não te permite procurar culpados. Terceirizar a culpa não dá certo. Tem coisas que fogem ao controle e temos de achar soluções rápidas."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.