Raul Arboleda/AFP
Raul Arboleda/AFP

Após estreia, Palmeiras vislumbra 1º turno com nove pontos na Libertadores

Time se apoia em vitória fora de casa para emendar sequência de dois resultados positivos nos próximos compromissos na arena

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

02 Março 2018 | 07h00

A boa estreia do Palmeiras na Copa Libertadores, nesta quinta-feira, faz o clube pensar com otimismo os próximos compromissos pela competição. O técnico Roger Machado afirmou após a vitória por 3 a 0 sobre o Junior, em Barranquilla, que para fazer valer o resultado conquistado na Colômbia, o time precisa ganhar os dois jogos seguintes, em casa.

+ Jailson minimiza polêmica sobre mãe corintiana

+ Tabela da Copa Libertadores 2018

Em abril, nos dias 3 e 11, o Palmeiras atua na arena contra o Alianza Lima e Boca Juniors. Os dois empataram sem gols em Lima nesta quinta-feira. "Vencer fora é sempre importante, mas a confirmação desses três pontos como visitante nós teremos que fazer em casa. Para que essa vitória seja válida, não podemos desperdiçar as oportunidades de fazer três pontos no Brasil", disse Roger Machado em entrevista coletiva.

O time alviverde é o líder do grupo e como tem a chance de jogar as próximas rodadas em casa, pode fechar o primeiro turno com 100% de aproveitamento. No ano passado o Palmeiras ganhou todas as partidas como mandante, mas venceu somente uma vez como visitante na Libertadores, contra o Peñarol. Por isso, o resultado na Colômbia já se configura como um importante aliado para conseguir a classificação antecipada.

"Iniciar vencendo na Libertadores é muito importante. A gente sabe que é muito difícil vencer fora, mesmo com um a menos. Foi um bom jogo e um grande resultado, que nos deixa em uma posição boa", afirmou Roger. O Palmeiras ganhou com dois gols de Bruno Henrique e outro de Miguel Borja. O atacante, inclusive, teve no estádio a presença de amigos e familiares.

Roger festejou a vitória em Barranquilla e admitiu que a tarefa ficou bem mais fácil depois da expulsão do lateral Gutiérrez, ainda aos oito minutos de partida. "Jogar com um a mais em 90% do tempo e se aproveitar desse jogador a mais nos deu a vantagem. Até a exclusão do jogador do Junior, pela pressão do time local, a partida estava na direção do nosso adversário. A gente soube fazer a partida se transformar e facilitar as coisas para chegar ao placar", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.