Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Após expulsão, Hernanes diz que não dormiu e fala em 'erro de cálculo'

Volante prejudicou o desempenho do Brasil na derrota por 1 a 0 para a França em Paris

AE, Agência Estado

10 de fevereiro de 2011 | 14h41

PARIS - Expulso por causa da solada que deu no peito de Benzema na derrota de 1 a 0 para a França, na última quarta-feira, o meia Hernanes não teve a noite que gostaria no hotel da seleção brasileira após o amistoso realizado no Stade de France, nos arredores de Paris. O jogador admitiu nesta quinta que não conseguiu cair no sono, pois só conseguia pensar no erro que acabou sendo decisivo para o novo revés sofrido pela equipe dirigida por Mano Manezes.

"A gente fica pensando, remoendo e não consegue dormir. A gente fica bastante chateado, mas acontece e tenho que levantar cabeça. [A minha passagem pela seleção] não vai parar por aqui", afirmou o jogador da Lazio, da Itália, em entrevista à TV Globo, na qual atribuiu o seu deslize decisivo a um "erro de cálculo" na jogada ocorrida logo aos 38 minutos do primeiro tempo.

"Há muito tempo não acontecia isso comigo. Infelizmente, foi um erro de cálculo", disse, explicando como a jogada ocorreu. "Ele (Benzema) fez o primeiro lance (matada de bola). Achei que tinha perdido o controle e tentei roubar a bola. Errei", lamentou.

Hernanes ainda fez questão de lembrar que nunca foi um jogador violento e que a falta bizarra cometida por ele sobre Benzema foi uma rara exceção em sua trajetória no futebol. "É a segunda vez que sou expulso na minha carreira. Não é uma coisa comum e isso não vai voltar a acontecer", prometeu.

A única expulsão de Hernanes até a partida desta quarta-feira havia ocorrido em um jogo do São Paulo, seu ex-clube, no Campeonato Paulista de 2009, quando ele foi excluído do confronto por segurar um jogador do Botafogo-SP quando já tinha cartão amarelo.

Veja também:

linkLeia como foi França 1 x 0 Brasil

linkMano critica 'imprudência de Hernanes'

linkFesta e negócios fora de campo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.