Cruzeiro/ Divulgação
Cruzeiro/ Divulgação

Após faixas, Cruzeiro cita Procuradoria-Geral da Fazenda e repudia 'radicalismo'

Na semana passada, faixas foram colocadas diante da sede da PGFN em Belo Horizonte, pedindo o fim da perseguição ao time mineiro

Redação, Estadao Conteudo

20 de agosto de 2020 | 13h13

A direção do Cruzeiro veio a público nesta quinta-feira para reafirmar seu respeito pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e pedir o repúdio a "qualquer tipo de radicalismo" por parte do órgão. Na semana passada, faixas foram instaladas diante da sede da PGFN em Belo Horizonte, pedindo o "fim da perseguição ao Cruzeiro" - ninguém assumiu a autoria do ato de protesto.

"Embora entenda que o futebol envolva paixão, o clube acredita que o conflito não parece ser o melhor caminho para a resolução do problema, que é, no caso específico, o dever da PGFN cobrar os tributos que entende devidos, e o desejo do Cruzeiro pagar, mas dentro de suas possibilidades, considerando sobretudo o cenário de pandemia e as dívidas com gravíssima repercussão desportiva (Dívidas Fifa)", registrou o clube mineiro, em comunicado.

Envolvido em dívidas nos últimos anos, o time mineiro não vem recebendo boas notícias em suas disputas judiciais com a União nos últimos meses - são ao menos R$ 300 milhões de dívidas. E quem representa a União neste conflito é justamente a PGFN.

A derrota mais recente aconteceu na semana passada, quando a Justiça impediu o clube de vender a sede campestre II ao conceder a tutela à PGFN. O clube chegou a manifestar publicamente sua insatisfação com a decisão.

"Da mesma forma em que destaca o respeito ao trabalho desenvolvido pela PGFN, o Cruzeiro também reforça que espera que seus objetivos sejam levados em conta, e aproveita para externar otimismo em relação a um possível alinhamento feito de forma justa e colaborativa", informou o clube, nesta quinta.

No mesmo comunicado, a gestão do Cruzeiro voltou a prometer transparência em suas contas. "O Cruzeiro hoje conta com uma nova gestão focada em uma cultura de transparência organizacional, diferentemente daquela que assolou o clube de forma tão lamentável em um passado muito recente."

"O clube crê que as pendências serão resolvidas na base do respeito, profissionalismo e justiça, tendo o diálogo aberto, cordial e transparente como a principal premissa neste processo no qual as duas instituições almejam um desfecho pleno e satisfatório."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiro Esporte Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.