Ciro De Luca/Reuters
Ciro De Luca/Reuters

Após falência, Bari é comprado pelo presidente do Napoli e torcida faz protesto

Um grupo chefiado pelo mandatário do clube napolitano competia com outros 10 interessados na compra do Bari

Estadão Conteúdo

01 Agosto 2018 | 13h01

Um dos clubes mais antigos e tradicionais da Itália, o Bari teve na semana passada a sua falência decretada e o consequente rebaixamento da segunda para a quarta divisão do Campeonato Italiano - o mesmo aconteceu com o Cesena e o Reggiana. Mas apareceu um salvador para a equipe de 110 anos de história que fica no "calcanhar da Bota": o presidente do Napoli, Aurelio De Laurentiis.

+ Cristiano Ronaldo festeja '1º treino duro' cumprido em pré-temporada na Juventus

Um grupo chefiado pelo mandatário do clube napolitano competia com outros 10 interessados na compra do Bari. O prefeito da cidade do sul da Itália, Antonio Decaro, anunciou a venda para o cartola do Napoli por já ter demonstrado "solidez econômica e competência esportiva". Os valores não foram divulgados.

O que Aurelio De Laurentiis não esperava era o protesto de torcedores do Napoli, contrários à compra do Bari pelo dirigente. Nesta quarta-feira, as grades que circundam o estádio San Paolo, em Nápoles, amanheceram com diversas faixas penduradas criticando a decisão do presidente. Em uma delas, pediam para que ele "saia da cidade".

A torcida do Napoli teme que, com a aquisição do Bari, Aurelio De Laurentiis desvie a sua atenção do clube napolitano e coloque em risco o projeto de voltar a vencer um Campeonato Italiano após 28 anos, quando o time contava com craques como o meia argentino Diego Maradona e o centroavante brasileiro Careca.

Detentor de duas Série B (1941/1942 e 2008/2009) e três vezes semifinalista da Copa da Itália, o Bari é uma das equipes mais tradicionais do país. Com 30 participações na Série A, também é o terceiro clube da região sul que mais jogou a elite, atrás somente do Napoli e do Cagliari.

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebol Napoli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.