Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Após fase ruim, David Braz festeja chance no Santos

Zagueiro não entra em campo pelo clube desde setembro de 2012

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2014 | 13h33

Escolhido como substituto de Neto, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, o zagueiro David Braz voltará a ganhar uma chance como titular do Santos neste domingo, quando a equipe enfrentará o Rio Claro, fora de casa, pelo Campeonato Paulista. O jogador não inicia uma partida entre os titulares da equipe santista desde 16 de setembro de 2012, quando ajudou a equipe a bater o Coritiba por 2 a 1, no Couto Pereira, pelo Campeonato Brasileiro.

Nesta quinta-feira, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, o defensor comemorou a oportunidade que ganhou do técnico Oswaldo de Oliveira, depois de amargar fases difíceis com a camisa do time no qual chegou em maio de 2012. Ele lembrou que logo em seu jogo de estreia pela equipe santista, contra o Bahia, pelo Brasileirão, já sofreu grave lesão muscular na coxa e depois não conseguiu ter uma sequência sob o comando de Muricy Ramalho.

Sem espaço no Santos, David Braz chegou a ser emprestado ao Vitória no ano passado, quando precisou conviver com o fato de que ficou dois meses sem receber salários do clube baiano. Agora de volta, ele mira o início de uma fase de sucesso com a camisa santista, "uma volta por cima", como ele próprio definiu nesta quinta.

"Cheguei aqui em maio (de 2012), na minha primeira partida acabei tendo uma lesão muscular grave. Estive fora por quase três meses e naquela ocasião a equipe já estava com Bruno Rodrigo e Durval (na zaga titular). E aí eu virei a primeira opção no banco, e aí surgiram poucas oportunidades. Tive sete jogos depois da lesão. E no ano seguinte, a comissão técnica acabou contratando o Neto e o espaço ia ser menor pra eu jogar", lembrou David Braz, para depois falar da passagem ruim pelo Vitória.

"Eu procurei um time, fui orientado a procurar outra equipe pra poder jogar. Recebi o convite do Vitória e infelizmente as coisas não aconteceram como a gente conversou... É triste. Foi um momento ruim da carreira, agora é dar valor a cada minuto aqui no Santos. Voltei, era a ultima opção e hoje estou tendo a opção de jogar. Tenho o apoio da comissão, do treinador, dos jogadores", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.