Após fim da festa, Fluminense planeja Libertadores

Depois de conquistar dois títulos brasileiro em três anos, o Fluminense tem como meta se estabelecer como uma potência no País e na América do Sul. Para isso, o foco principal da próxima temporada será a conquista da Copa Libertadores e, posteriormente, a disputa do Mundial de Clubes. A preparação já começou e a principal tarefa da diretoria é preservar a comissão técnica e a maior parte do atual elenco.

AE, Agência Estado

19 de novembro de 2012 | 20h13

Após a derrota para o Cruzeiro, 2 a 0, domingo, no Engenhão, e da festa em campo pela conquista antecipada do título nacional, os jogadores, a comissão técnica, os cartolas e patrocinadores tricolores foram para uma churrascaria comemorar, o que não puderam fazer há uma semana, quando selaram a conquista com a vitória sobre o Palmeiras, em Presidente Prudente.

"Não é uma obsessão (a Libertadores). Mas vejo como um dever do Fluminense buscar esse título, assim como todos os outros que estivermos disputando'', disse Celso Barros, presidente da Unimed Rio, patrocinador do futebol do clube.

Barros indicou que as contratações na pré-temporada serão pontuais. "Nosso grupo é fortíssimo e vai continuar assim. Se vier um ou outro jogador, é para somar a esse elenco que já é muito bom. Vamos fazer um esforço para manter este grupo."

O presidente Peter Siemsen falou em alcançar "o topo da América e do mundo". Alguns jogadores têm o contrato por expirar ao fim deste ano, mas os pilares da equipe, como Fred, Deco e Wellington Nem estão garantidos para a próxima temporada.

A meta mais próxima, porém, é quebrar o recorde nos pontos corridos com 20 clubes, obtido pelo São Paulo em 2006: 78 pontos. Com 76, o Fluminense precisa de mais uma vitória nas duas rodadas finais. O adversário do domingo é o Sport, que luta contra o rebaixamento, na Ilha do Retiro.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.