Olga Maltseva/AFP
Olga Maltseva/AFP

Após gesto obsceno na vitória da Argentina, Maradona passa mal no estádio

Ídolo argentino foi personagem de destaque na Arena Zenit, em triunfo sobre a Nigéria

Gonçalo Junior, enviado especial / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 19h07

O ex-jogador Diego Armando Maradona teve uma queda de pressão arterial e teve de ser levado ao posto médico da Arena Zenit, em São Petersburgo, após a vitória dramática da Argentina sobre a Nigéria, por 2 a 1, nesta terça-feira, pela rodada final do Grupo D da Copa do Mundo. Ele foi atendido por dois paramédicos, mas passa bem e não deve ser levado ao hospital.

+ TEMPO REAL - Nigéria 1 x 2 Argentina

+ 'Teria sido muito injusto sair do Mundial agora', diz Messi após classificação

Um vídeo, que circula nas redes sociais, mostra o astro sendo conduzido por seu segurança particular para da área VIP do estádio. Ele chegou a cair nas cadeiras. O vídeo tem menos de 30 segundos. A emissora argentina TyC Sports divulgou uma foto, também nas redes sociais, com o momento do atendimento médico.

A exemplo do que aconteceu nos jogos anteriores, Maradona deu um show no camarote da Arena Zenit. Viveu momentos teatrais. Antes do início da partida, ele chamou uma torcedora da Nigéria para dançar. No final do jogo, minutos após o gol salvador de Marcos Rojo, ele se descontrolou e mostrou o dedo médio para os torcedores, em um gesto obsceno captado pelas câmeras de tevê.

O ex-camisa 10, grande nome da conquista do título da Argentina no Mundial de 1986, no México, também comemorou o gol marcado por Lionel Messi aos 13 minutos do primeiro tempo erguendo os dois braços ao céu, antes de usar os mesmos para se abraçar e aparentemente agradecer a Deus pelo fato de o astro ter aberto o placar do duelo.

No intervalo do confronto, dando os primeiros sinais de desgaste físico, o astro chegou a cochilar na sua cadeira, mas depois ficou bem acordado ao não esconder o seu desespero quando a Nigéria empatou o jogo aos 5 minutos da etapa final, por meio de um pênalti cobrado por Moses.

Um dos ápices desta agonia foi quando o ídolo argentino levou as duas mãos à cabeça para lamentar uma grande chance de gol desperdiçada por Higuaín aos 35 minutos. Ele chegou a subir na estrutura de plástico colocada como parapeito do setor e foi abraçado por outra pessoa que temia por uma possível queda do ex-atleta.

 

Pouco depois, porém, aos 40, Maradona foi do desespero à euforia ao festejar o gol decisivo marcado por Rojo que definiu o triunfo por 2 a 1 e levou os argentinos às oitavas de final da Copa. Depois de beijar uma pessoa que estava ao seu lado com uma camisa da seleção, acabou protagonizando o gesto obsceno ao se exaltar em sua comemoração.

Presente em todos os jogos, Maradona tem sido um crítico das atuações da equipe argentina. Após a derrota para Croácia, por 3 a 0, ele afirmou que o técnico "Sampaoli não poderia voltar para casa". Além disso, ele se ofereceu para conversar com os jogadores antes da partida diante da Nigéria.

Após a classificação dramática, a Argentina vai enfrentar a França, sábado, às 11 horas (de Brasília), em Kazan, pelas oitavas de final. A Croácia, primeira colocada do Grupo D, jogará contra a Dinamarca no domingo, às 15h, em Nijni Novgorod.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.