Após gol da vitória, Kaká passa o dia longe do assédio

O dia seguinte do meia Kaká após marcar o gol da vitória do Brasil na estréia da Copa do Mundo, contra a Croácia, foi bem ao seu estilo: em paz, com a família, e cercado de elogios. Aplausos de todos os que acompanham sua carreira e que agora apostam que ele será um dos melhores do torneio - já foi o melhor da partida de terça-feira, quando ganhou uma caneca de prêmio.Por estar de folga e saber que seria bastante assediado pela imprensa, tanto brasileira como de outros países, Kaká preferiu se esconder. Foi passar o dia longe do Kempinski Falkenstein Hotel, em Königstein, na Alemanha, onde a seleção brasileira está concentrada. Só foi visto na chegada ao hotel, junto com Robinho. Se limitou a fazer um sinal de positivo aos câmeras e fotógrafos. Até mesmo entrevistas que estariam programadas com jornalistas de países europeus teriam sido canceladas. Foi o descanso de quem decidiu para o time.Os elogios ao meio-campista brasileiro foram escritos nas mais diversas línguas. Principalmente na Itália, onde ele joga - defende o Milan desde 2003. O jornal La Gazzeta Dello Sport escreveu em sua manchete logo após a partida: "Brasil, basta uma mágica de Kaká", junto com sua foto. O diário Marca, da Espanha, chamou o meia de "gênio" em diversos textos.Com a boa atuação na estréia da Copa - e a regularidade principalmente na seleção brasileira -, sendo um dos jogadores mais elogiados pelo técnico Carlos Alberto Parreira, o futuro do meia também já é especulado. Os jornalistas espanhóis que acompanham o dia a dia da seleção garantem que o Real Madrid está mesmo interessado no jogador para substituir Zidane, que se aposenta após o Mundial.Mas a possibilidade já diminuiu nos últimos dias. Há quem duvide que o Milan não vai liberá-lo tão cedo. Seu contrato com o time italiano vai até 2009 e cogita-se que a oferta dos espanhóis estaria em torno de 70 milhões de dólares, o que lhe tornaria um dos jogadores mais caros da história. Além disso, o meia demonstrou em diversas entrevistas que gosta da vida na Itália, em especial Milão, onde reside há três anos. Lá ele já conhece diversos lugares onde pode sair com discrição - não sofre o mesmo assédio de quando está no Brasil - e sempre se disse fã da cultura e da culinária italiana. E sabe que o assédio e a pressão que sofreria no Real Madrid, principalmente pela escassez de títulos na era dos galácticos, vai pesar contra e pode atrapalhá-lo.Em sua segunda Copa do Mundo, Kaká já acumula uma experiência de muitos veteranos para quem tem apenas 24 anos. São 35 jogos, com 10 gols marcados pela seleção. Esse índice é formado com 21 vitórias, 10 empates e apenas 4 derrotas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.