Após gol de mão, árbitro é punido e Ceará vê complô

A polêmica sobre o gol de mão do atacante Wellington Silva que deu a vitória ao Paraná sobre o Ceará por 1 a 0, pela Série B do Campeonato Brasileiro, no sábado, ainda não foi encerrada. O árbitro já foi punido, preventivamente, por três meses, e a direção do Ceará insinuou a existência de um complô a favor dos clubes paulistas.

AE, Agencia Estado

20 de setembro de 2009 | 16h43

Veja também:

link Paraná vence o Ceará com um gol de mão na Série B

Brasileirão Série B - tabela Classificação | lista Tabela

especialSÉRIE B - Leia mais sobre a competição

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A Comissão de Arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) suspendeu o árbitro alagoano Charles Hebert Cavalcante Ferreira por três meses, de acordo com Sérgio Corrêa, presidente da comissão. A punição pode ser revista, mas dificilmente o árbitro voltará a apitar antes de 2010.

Mas para o presidente do Ceará, Evandro Leitão, a punição não é suficiente. O dirigente quer a anulação do jogo. "Fomos literalmente roubados. Vamos entrar com uma medida pedindo a anulação deste jogo", desabafou o mandatário, que acredita em complô contra o Ceará.

"O que mais preocupa o Ceará é que toda sexta-feira o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa da Silva, dá expediente na Federação Paulista de Futebol e temos clubes paulistas como Guarani, Portuguesa, Ponte Preta e São Caetano brigando pelo acesso à Série A. Não duvido que tenha um complô contra a gente", completou o dirigente.

Apesar da derrota, o Ceará segue no G-4, na quarta posição, com 43 pontos, três a mais que o São Caetano, quinto colocado. "Ainda estamos na briga. Vamos nos fortalecer com este erro. Nossos brios estão feridos e mais do que nunca vamos lutar pelo acesso", finalizou Evandro Leitão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.