Após golear Uruguai em Montevidéu, Brasil espera jogo duro com o Paraguai em casa

Postura defensiva do adversário preocupa equipe de Tite para jogo na terça-feira

Ciro Campos e Leandro Silveira, Estadao Conteudo

26 de março de 2017 | 06h06

Enfrentar o Uruguai no estádio Centenário parecia ser o último e principal grande desafio da seleção brasileira rumo à Copa do Mundo de 2018. Superado esse obstáculo como uma incontestável goleada de 4 a 1, na última quinta-feira, a equipe agora se vê diante de um adversário bem mais modesto, o Paraguai, rival na próxima terça em São Paulo e que ocupa o sétimo lugar nas Eliminatórias. Nem por isso, porém, o time de Tite pensa que encontrar facilidade no confronto marcado para o estádio do Corinthians.

"Vai ser difícil, eles ainda têm chance de classificar à Copa. E vêm para complicar o jogo", afirmou Philippe Coutinho, lembrando que o Paraguai venceu o Equador na última quinta, se mantendo vivo na luta por uma vaga na Copa da Rússia, diminuindo para três pontos a vantagem da quarta colocada Colômbia, que está ficando com a última vaga da América do Sul no torneio, e a dois do quinto Equador, posição que a levaria a participar de uma repescagem.

A expectativa da seleção e também do técnico Tite é de encontrar um adversário mais fechado, em uma tentativa de atrapalhar as ações ofensivas da equipe, também se aproveitando da experiência do técnico e ex-jogador Francisco Arce, com passagens marcantes pelo futebol brasileiro, por Grêmio e Palmeiras, e, portanto, bastante conhecedor do comportamento do torcedor que vai comparecer ao Itaquerão.

Para Coutinho, mais do que se preocupar com o poderio ou o estilo do adversário, a seleção deve impor seu estilo e padrão de jogo. "Temos que entrar focados do mesmo jeito. O treinador frisa sempre a questão do desempenho. Toda seleção vem para complicar nosso jogo", alertou.

A incrível sequência de sete vitórias da seleção nas Eliminatórias também pode esconder o risco de a confiança e a euforia com esses resultados afetarem o desempenho e a concentração da equipe brasileira. O lateral-direito Fagner, que assumirá a titularidade diante do Paraguai com a suspensão de Daniel Alves, aponta o que o Brasil precisa fazer para que a empolgação não equipe o rendimento dentro de campo.

"O principal fator é a gente continuar tendo desempenho, manter nível excelente a cada jogo, buscar grandes atuações, independentemente do resultado. Se fizermos grandes jogos, a euforia fica de lado e a equipe fica no padrão bom", disse o lateral.

Outro potencial risco para a seleção está na presença do artilheiro do Itaquerão, o paraguaio Romero, companheiro de Fagner no Corinthians e agora, ao menos na noite de terça, adversário em campo. "Com o Romero eu comentei de trocar a camisa depois do jogo. Mas nada de brincadeira por enquanto. Não sei o que ele pode aprontar nos próximos dias", brincou Fágner.

No turno, o Brasil sofreu para arrancar a igualdade diante do Paraguai, no Defensores del Chaco, após estar perdendo por 2 a 0, graças aos gols de Ricardo Oliveira e Daniel Alves para a equipe então dirigida por Dunga. "Lá só empatamos no final. Vai ser um jogo muito intenso", lembrou Coutinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.