Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Após greve, elenco do Fluminense conversa com diretoria e volta a treinar

Jogadores se reúnem com o presidente do clube e decidem retomar o trabalho depois de um dia de paralisação

Redação, Estadão Conteúdo

20 de fevereiro de 2019 | 13h18

Um dia depois de terem se recusado a treinar por causa de salários atrasados, o jogadores do Fluminense se reuniram com o presidente Pedro Abad e retornaram às atividades no campo na manhã desta quarta, no CT do clube na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio.

O treinamento foi fechado para a imprensa, mas o site oficial do time divulgou imagens com os atletas se exercitando no gramado em um trabalho realizado em campo reduzido e que visou a estreia da equipe na Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca, nesta sexta-feira, às 21 horas, contra o Bangu, no Maracanã.

Na última terça-feira, os jogadores do Flu tinham programada a reapresentação aos treinos depois da derrota para o Vasco sofrida na final da Taça Guanabara, no último domingo, mas ele acabaram não aparecendo no campo. Logo após a greve, o diretor executivo de futebol do clube, Paulo Angioni, admitiu que a paralisação ocorreu por causa de pendências que ainda não haviam sido cumpridas, mas assegurou que a equipe voltaria a treinar nesta quarta, o que acabou realmente ocorrendo.

No caso, os jogadores ainda não receberam o 13º salário do ano passado nem os vencimentos do mês de janeiro. Para completar, a diretoria tricolor também não quitou uma premiação ainda da temporada passada e outra da Copa do Brasil, além de acumular dívidas pelos direitos de imagem de 2018 e deste ano dos seus atletas.

Por causa da greve de terça-feira, o elenco tricolor fará apenas dois treinos no campo antes da estreia na Taça Rio. O segundo e último trabalho de preparação no gramado para o confronto que marcará a estreia do meia Paulo Henrique Ganso com a camisa do Fluminense será realizado na manhã desta quinta, a partir das 9 horas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.