Phil Noble/ Reuters
Phil Noble/ Reuters

Após hemorragia cerebral, Alex Ferguson agradece médicos que salvaram sua vida

Mensagem foi divulgada pelo Manchester United, clube que comandou por 26 temporadas

Estadão Conteúdo

26 de julho de 2018 | 13h58

Quase três meses após sofrer uma hemorragia cerebral e ser internado às pressas na Inglaterra, o ex-treinador escocês Alex Ferguson reapareceu publicamente nesta quinta-feira e gravou um vídeo para agradecer o apoio e as mensagens recebidas durante o período e, principalmente, os médicos que salvaram a sua vida no início de maio. A gravação foi divulgada pelo Manchester United, clube que comandou por 26 anos e venceu 13 edições do Campeonato Inglês, nas redes sociais.

"Quero agradecer ao pessoal médico dos hospitais Macclesfield, Salford Royal e Alexandra (os três da região de Manchester, no norte de Inglaterra)", disse Alex Ferguson, elogiando assim o NHS, o serviço público de saúde britânico. "Acreditem, sem essas pessoas, que me deram cuidados tão bons, não estaria aqui sentado. Da minha parte e da minha família, muito obrigado", acrescentou o treinador de 76 anos, que também não esquece o clube e garante que voltará "em breve" ao estádio Old Trafford.

O vídeo divulgado pelo Manchester United, de apenas 45 segundos, mostra Alex Ferguson falando com naturalidade, claramente recuperado da cirurgia cerebral de urgência a que foi submetido há quase três meses. A alta médica aconteceu há cerca de três semanas.

O ex-treinador ainda desejou sorte ao Manchester United, atualmente comandado pelo português José Mourinho, para a temporada. "Por último, estarei de volta logo mais nesta temporada para assistir ao time e, enquanto isso, tudo de bom para José e os jogadores. Muito obrigado", completou.

Entre outros títulos, o Manchester United comandado por Alex Ferguson também conquistou as edições de 1999 e 2008 da Ligas dos Campeões da Europa e os Mundiais de Clubes dos mesmos anos. Após deixar o clube inglês, em junho de 2013, o escocês lançou duas autobiografias e deu aulas na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.