Após jogar 90 minutos, Ronaldo admite que está exausto

Foram 316 minutos, cinco jogos, apenas um deles completo, quatro gols e uma constatação: Ronaldo está exausto. O diagnóstico é do próprio jogador, que deve ser poupado diante do Guarani, neste sábado, em Campinas. "Foram dois jogos seguidos, estou bem cansado. E o trabalho de recuperação é importante", disse. "Amanhã (sexta-feira) vou estar ainda mais cansado, mas se tiver de jogar, estarei lá".

FÁBIO HECICO, Agencia Estado

26 de março de 2009 | 19h56

Ronaldo joga na retranca no assunto por ainda não ter conversado com Mano Menezes. O papo acontecerá nesta sexta e o jogador dirá que prefere se poupar do duelo de Campinas para estar inteiro na próxima terça diante do Ituano. "Todo o processo (de recuperação) tem de ser feito de maneira cautelosa. A gente tem de visar os jogos mais importantes, as semifinais, e se chegarmos, a final", pregou.

O Corinthians encarou o Santos, no domingo, e a Ponte Preta, na quarta. Nos encontros, Ronaldo atuou por 180 minutos, algo que não acontecia fazia mais de um ano. "Fazer dois jogos em três dias é pesado para jogador que já vem atuando há muito tempo. Para mim, ainda mais, pois estou retornando".

O jogador está entusiasmado com os gols e, ao mesmo tempo, assustado com o ritmo alucinante do futebol atual. Nesta quinta, surpreendeu ao dizer que a aposentadoria pode vir já no fim da temporada. "Meu objetivo é concluir o contrato e fazer um balanço no fim do ano. Depois, vou decidir se jogo mais um ano ou então encerro a carreira", disse. "Vou pensar, temos muito tempo, agora é curtir o momento".

Ronaldo também comentou a falta sobre o zagueiro Deda, da Ponte Preta, no jogo de quarta. "Fui cobrar a falta, ele tirou a bola e deixou a canela. Eu não tive nenhuma intenção", defendeu-se. E sobre Gum? "Jamais pediria para um zagueiro não me marcar. Pedi para parar de me agarrar. Ele me agarrava mais do que minha mulher".

O atleta ainda respondeu a perguntas sobre a possibilidade de ir para o Los Angeles Galaxy para assumir o lugar do inglês David Beckham. "É difícil falar em hipóteses. Minha vontade é a de ficar aqui. Agora não sei se o Corinthians quer me vender. Quem sabe para construir um estádio?", brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.