David Goldman/ AP
David Goldman/ AP

Após polêmica na Copa Ouro, Panamá pede exclusão de arbitragem

Fepafut se manifesta após penalidades duvidosas contra o México

Estadão Conteúdo

23 de julho de 2015 | 16h58

A Federação Panamenha de Futebol (Fepafut, na sigla em espanhol) demonstrou indignação com o trio de arbitragem que esteve à frente da partida contra o México, que eliminou o Panamá, na noite de quarta-feira, em duelo válido pelas semifinais da Copa Ouro. Em comunicado nesta quinta, a entidade pediu a exclusão dos árbitros dos quadros da Concacaf.

"Ante à insultante e vergonhosa arbitragem contra a seleção do Panamá, para favorecer de maneira vulgar e descarada a seleção mexicana, exigimos a remoção total dos membros da Comissão Arbitral da Concacaf", afirmou o comunicado. "O jogo desta quarta-feira foi a gota d'água de uma situação repetitiva que acontece desde a primeira partida de nossa seleção na fase de grupos e que continuou durante os jogos seguintes."

Na partida, o Panamá atuou com um a menos desde os 25 minutos do primeiro tempo, quando o árbitro norte-americano Mark Geiger expulsou o centroavante Luis Tejada. Mesmo assim, os Panamenhos conseguiram abrir o marcador. No entanto, o juiz marcou dois pênaltis inexistentes que decidiram a partida. O México venceu por 2 a 1, na prorrogação, e garantiu vaga na final da Copa Ouro. Na decisão, domingo, enfrentarão a Jamaica.

"Foi evidente a todo mundo que a seleção panamenha foi superior ao México dentro de campo. O rival não tinha argumentos futebolísticos para poder competir com a boa ordem técnica e tática dos panamenhos. Com a intenção clara de prejudicar nosso elenco, o árbitro passou a ser protagonista principal", continuou o comunicado.

O primeiro pênalti foi marcado aos 44 minutos do segundo tempo, depois de Torres ter caído sobre a bola e encostado o braço esquerdo de forma involuntária na mesma, após disputa aérea com um jogador mexicano. E, na primeira etapa do tempo extra, Javier Orozco foi lançado na área e, ao receber o combate de Harold Cumming, se jogou após o choque.

Os erros do árbitro foram tão claros que até mesmo o técnico do México, Miguel Herrera, admitiu que a sua seleção "não mereceu ganhar". Como forma de protesto contra a arbitragem de Geiger, os jogadores da seleção panamenha chegaram a postar nas redes sociais uma foto na qual posam no vestiário do Estádio Georgia Dome, em Atlanta, nos Estados Unidos, com uma faixa que trazia em destaque a frase "Concacaf Ladrones" e, logo abaixo dela, a palavra "corruptos" por três vezes.

No encerramento do comunicado, a Federação Panamenha disse contar com o bom senso da Concacaf. "Confiamos que se tomarão as medidas necessárias para evitar que esse tipo de situação se repita no futuro. É fundamental que aconteçam mudanças para levar adiante a máxima mais importante do futebol: o jogo limpo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.