Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Após julgamento, Guerrero confia que será absolvido em caso de doping

Atacante diz que está descartado o uso de cocaína: 'Agora está nas mãos da Fifa'

Estadão Conteúdo

30 de novembro de 2017 | 17h34

O peruano Paolo Guerrero compareceu nesta quinta-feira à sede da Fifa, em Zurique, para seu julgamento sobre o caso de doping. Durante cerca de quatro horas, o atacante do Flamengo ouviu os argumentos da defesa e da acusação e ao término da audiência, deixou o local bastante animado.

+ Gareca festeja vaga do Peru na Copa do Mundo e exalta Guerrero

"Estou tranquilo, porque sou inocente. Vim até aqui, na Suíça, para mostrar isso. Graças a Deus, consegui todas as provas que são fundamentais. Agora, é só aguardar a resposta da Fifa", declarou. "Estou seguro (de que vou ser absolvido), confiante, porque sou inocente. Já demonstrei uma grande parte e, agora, só falta tomarem a decisão."

Guerrero se mostrou cansado pela duração do julgamento, mas atendeu os jornalistas e mostrou bastante confiança em sua liberação. O veredicto da Fifa deverá acontecer já na semana que vem. "O julgamento foi de 4 horas, durou muito tempo. Mas, graças a Deus, conseguimos provar tudo. Agora, está nas mãos da Fifa."

O jogador responde à investigação por ter testado positivo para uso de benzoilecgonina, um metabólito da cocaína, em exame realizado depois do empate em 0 a 0 entre Argentina e Peru, em Buenos Aires, pela penúltima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa da Rússia de 2018, no dia 5 de outubro. Por isso, foi suspenso preventivamente pela Fifa.

A principal suspeita era justamente sobre o uso de cocaína, mas o atacante garantiu que esta possibilidade já foi descartada pela entidade. "Está descartado o uso de cocaína, isso não conta mais", afirmou o jogador, que ainda explicou: "A quantidade (encontrada de benzoilecgonina) é muito pequena, não chega a ser considerado doping".

Por conta da punição, Guerrero ficou impedido de defender a seleção peruana nas duas partidas da repescagem da Copa do Mundo de 2018, diante da Nova Zelândia. Mesmo assim, o país garantiu vaga no Mundial, que seria o primeiro do atacante. Mas antes de sonhar em disputar o torneio, ele quer apenas voltar a jogar futebol.

"Se trata da minha carreira. Antes de pensar em jogar o Mundial, quero resolver e voltar a jogar futebol. Nestes 30 dias, cortaram minhas pernas, porque eu não podia jogar. Então, primeiro quero resolver isso. Depois, veremos", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.