Juan Ignacio Roncoroni/EFE
Juan Ignacio Roncoroni/EFE

Após lesões, Michel celebra gol e vitória do Grêmio: 'Só eu sei o que passei'

Volante ganha chance na ausência de Luan e é decisivo contra o River Plate

O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2018 | 00h08

O volante Michel só teve motivos para comemorar nesta terça-feira. De volta ao time titular do Grêmio, o jogador fez o gol da vitória sobre o River Plate por 1 a 0, em Buenos Aires, no jogo de ida da semifinal da Copa Libertadores, e celebrou a volta por cima após uma sequência de lesões e problemas familiares.

"É emocionante. Só eu sei o que passei. Foi muito trabalho, muita fisioterapia para ser coroado com esse gol hoje. É sensacional. Mas não posso esquecer esse espírito da equipe. Libertadores é isso, sem violência. Um gol que fez a diferença", celebrou o volante, que foi a aposta do técnico Renato Gaúcho para a partida.

Michel reforçou o meio-campo ao entrar no lugar do atacante Luan, que está machucado mas parecia ter chances de entrar em campo porque havia participado do treino na segunda-feira. Sem Luan e também com a baixa de Everton, o treinador preferiu dar maior atenção ao meio-campo, na tentativa de reforçar a marcação e neutralizar o ataque do River. A estratégia deu certo e o time gaúcho abriu boa vantagem na briga para voltar à final da competição.

Mas a escalação surpreendeu até mesmo o próprio Michel. "Soube ontem (que iria jogar). Este gol foi muito bem-vindo. Ele pediu para segurarmos. Me plantou em frente à área, mas não deixamos de jogar", comemorou o volante, sem esquecer dos problemas que enfrentou nos últimos meses.

As dificuldades do jogador começaram em maio, quando sofreu uma lesão muscular na coxa direita. Um dos destaques da equipe no ano passado, Michel queria brilhar de novo. Porém, ao voltar a jogar, em setembro, sofreu novo problema físico, desta vez uma entorse no tornozelo direito. Além disso, passou por um período de luto em razão da morte do avô.

"De alguns meses para cá, eu perdi meu avô, José. Esta luta com minha vó, que ficou viúvo. Dedico este gol a ele. Nunca deixei de trabalhar. Foi gratificante", festejou o volante, que ganhou elogios dos companheiros de equipe.

"Ele se machucou num momento difícil, teve que respirar um pouco. E hoje ele jogou muito, fez o gol da vitória. Estou muito feliz por ele", disse o zagueiro Kannemann, que guardou elogios também à atuação do coletivo gremista.

"É um time que sabe jogar, sabe utilizar as ferramentas que tem, no momento adequado. Hoje não deu para jogar muito, foi mais na raça, no trabalho tático, na defesa. Mas, na bola parada, conseguimos o gol", comemorou o zagueiro, que cumprirá suspensão no jogo da volta por ter levado cartão amarelo nesta terça.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.