Divulgação
Divulgação

Após a Copa Libertadores, SBT planeja criar programa esportivo para o ano que vem

Emissora de Silvio Santos se anima com retorno do futebol à grade e estuda maneira de ampliar destaque ao assunto

Raul Vitor, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2020 | 05h00

A compra dos direitos de transmissão da Libertadores tem feito a grade de programação do SBT passar por reformulações. Segundo apurou o Estadão, a vontade da emissora é aproveitar a onda de novas contratações e criar um produto esportivo para a televisão e para a internet em 2021.

Como o contrato com a Conmebol foi assinado às vésperas do início da competição, a emissora do empresário Silvio Santos não teve tempo suficiente para criar um programa voltado especificamente para o esporte. Mas, ao que tudo indica, essa ausência logo será sanada. 

A ideia ainda é embrionária. Os responsáveis pela programação da emissora estudam se é viável encaixar esse novo produto na grade da televisão. Por isso, ainda não se sabe qual seria o formato dessa atração, se seria inserido em um quadro de um jornal ou teria presença avulsa, o horário da transmissão e quais apresentadores fariam parte.

Até agora, o SBT fez cinco contrações para as transmissões dos jogos dessa edição do torneio: Teo José, Mauro Beting, Ricardo Rocha, Luiz Alano e Mauro Galvão. Para a criação de um novo produto, talvez, a emissora precise ir atrás de outros nomes, o que demanda tempo. Segundo a coluna do jornalista Ricardo Feltrin, da UOL, José Luiz Datena, da Band, e Benjamin Back, da Fox Sports, seriam cotados.

Além de um produto televiso, a emissora, que lançou recentemente produtos para as plataformas digitais, também deseja criar um programa esportivo para a web. Mas a ideia também não saiu do papel. Tudo isso faz parte dos anseios do SBT, que se animou com a chegada da Libertadores e planeja, durante o restante de 2020, consolidar a presença no ramo esportivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.