Após marcação de pênalti, Amarilla se envolve em nova polêmica

Jogadores do San Lorenzo partiram para cima do árbitro paraguaio depois de lance aos 48 minutos da etapa final

O Estado de S. Paulo

28 de março de 2014 | 09h42

SÃO PAULO - Árbitro do jogo que resultou na polêmica eliminação do Corinthians da Copa Libertadores do ano passado, contra o Boca Juniors, Carlos Amarilla voltou a se envolver em uma controvérsia em partida do torneio continental. Na quinta-feira, o paraguaio marcou um pênalti duvidoso para o Independiente Del Valle, do Equador, que culminou no empate por 1 a 1 com o San Lorenzo, da Argentina, pelo Grupo 2 da competição.

Jogando fora de casa, o time argentino saiu na frente aos 12 minutos do segundo tempo, quando o meia Ángel Correa cobrou escanteio na cabeça do atacante Nicolás Blandi. Perto do fim do jogo, o Independiente Del Valle armou um contra-ataque e, após uma tabela, o defensor Emmanuel Mas trombou com Guerrero dentro da área e Amarilla assinalou pênalti. Sornoza fez a cobrança e marcou o gol de empate dos equatorianos.

Após o término da partida, os jogadores do San Lorenzo partiram para cima do árbitro. A confusão só acabou graças à intervenção da polícia, que protegeu Amarilla e seus auxiliares no meio do campo do Estádio Rumiñahui. O San Lorenzo amarga a lanterna do grupo, com cinco pontos, e está perto de dar adeus à Libertadores. Na última rodada, os argentinos receberão o líder Botafogo, no dia 9 de abril, no Estádio Nuevo Gasómetro, em Buenos Aires.

RELEMBRE O CASO

No ano passado, Carlos Amarilla foi acusado pelos jogadores corintianos de ter interferido no empate por 1 a 1 entre o time alvinegro e o Boca Juniors, resultado que eliminou o clube paulista da competição. O Corinthians alega que o paraguaio deixou de marcar um pênalti de Leandro Marín e anulou de forma equivocada um gol de Romarinho, ainda no primeiro tempo, antes do placar ser aberto por Juan Román Riquelme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.