Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Após ficar fora da Copa por lesão, tunisiano comemora 2ª chance no Mundial de Clubes

Taha Yassine Khenissi é um dos principais nomes do Espérance

Estadão Conteúdo

14 de dezembro de 2018 | 14h26

Em 10 de maio de 2018, aos 15 minutos do jogo contra o Kairouan, pelo Campeonato Tunisiano, Taha Yassine Khenissi chutou rasteiro no canto para marcar um gol pelo Espérance. Em vez de festejar a bela jogada, o atacante, de 26 anos, sofreu com uma lesão que o impediu de disputar a Copa do Mundo da Rússia pela seleção de seu país.

A contusão e a ausência na Copa não diminuíram o entusiasmo de Khenissi, um dos principais jogadores na conquista da Liga dos Campeões da África, ao bater o Al Ahly, do Egito, na decisão, em novembro.

O título garantiu a equipe tunisiana no Mundial de Clubes, nos Emirados Árabes. O Espérance estreia na competição neste sábado, diante do anfitrião Al Ain, pelas quartas de final, e Khenissi terá sua segunda chance.

"Perder a Copa do Mundo na Rússia foi um duro golpe para mim, mas eu nunca perdi a esperança. Eu treinei bem para voltar forte, e agora estou de volta ao meu melhor. Eu também ajudei meu time a ganhar a Liga dos Campeões da África, que é tão importante quanto a Copa do Mundo para mim", disse o jogador em entrevista ao site da Fifa.

O duelo contra o Al Ain começa às 14h30 (horário de Brasília) deste sábado e Khenissi qualificou o time da casa como "muito bom", assim como lembrou que o rival terá a vantagem de atuar com o apoio de sua torcida. Porém, ele confia que o Espérance poderá avançar e desafiar o favoritismo do River Plate, que estreará diretamente nas semifinais. "Nós respeitamos todos os nossos oponentes e temos nos preparado bem para no jogo ter o nosso melhor desempenho", afirmou o atleta.

Khenissi, de 26 anos, é um dos indicados a ganhar o prêmio de melhor jogador da África de 2018. A lista tem nomes como Mohammed Salah e Sadio Mané, ambos do Liverpool. O vencedor será anunciado em 8 de janeiro, durante cerimônia em Dacar, no Senegal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.