Após noite em claro, Lippi elogia atuação da Itália

O técnico Marcelo Lippi chegou com ar cansado à entrevista coletiva realizada no início da tarde desta quarta-feira (no horário alemão), em Duisburg. Ele admitiu que demorou para ir dormir depois da emocionante vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha, na prorrogação, que garantiu a classificação da Itália para a final da Copa do Mundo. Foram apenas duas horas de sono. "Fui dormir às cinco da manhã, porque fiquei assistindo à partida novamente, inclusive a prorrogação. E às sete horas acordei, como é meu costume", contou o treinador, obviamente com ótimo humor, apesar do cansaço. Ele disse que foi importante rever o jogo para confirmar sua impressão inicial: a Itália foi melhor e mereceu a vitória. "Gostei do que vi. Vencemos um time de muita qualidade, provavelmente foi a vitória mais importante da minha carreira. Antes de domingo, é claro", brincou, em referência à final de domingo, contra França ou Portugal - enfrentam-se nesta quarta, em Munique. "Tivemos problemas, mas fomos melhores que nosso rival", disse. O técnico disse que decidiu apostar numa formação ofensiva, com quatro atacantes, inclusive Totti e Del Piero ao mesmo tempo, porque o jogo estava aberto e sua defesa merecia confiança a ponto de ele poder sacrificar o meio-de-campo - sobraram apenas Gattuso e Pirlo, autor da assistência para o primeiro gol, de Grosso. "Nós temos bons zagueiros e um ótimo goleiro. E ficamos com bons cobradores de pênalti." Os elogios à defesa são um sinal de que Lippi deve manter Materazzi como titular da zaga na decisão, em Berlim, já que ainda não sabe se Nesta estará plenamente recuperado da lesão muscular na coxa direita que o afastou dos últimos três jogos - ele já vinha com dores e se contundiu de vez no primeiro tempo do jogo contra a República Checa. Por outro lado, poderá contar com o volante De Rossi, que cumpriu contra a Alemanha o último dos quatro jogos de suspensão pelo cartão vermelho recebido no jogo contra os Estados Unidos, quando acertou uma cotovelada no atacante adversário McBride.

Agencia Estado,

05 Julho 2006 | 11h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.