Após novela, Corinthians confirma contratação de Edno

O atacante Edno enfim teve o seu destino definido nesta segunda-feira. Depois de demonstrar sua vontade de deixar a Portuguesa, ainda no mês passado, o jogador foi confirmado como novo reforço do Corinthians. Antes do acerto, porém, Edno teve propostas oficiais de Palmeiras, Santos e Flamengo. Extraoficialmente, o São Paulo também tinha interesse no atacante de 26 anos.

AE, Agencia Estado

14 de setembro de 2009 | 18h16

Edno assinará com o Corinthians por quatro anos. Ele chega para ajudar a equipe a buscar o seu principal objetivo em 2010, ano do centenário do clube: a conquista da Copa Libertadores. Por isso, tem permanência garantida no Parque São Jorge até o término da participação corintiana na competição. O atacante fará exames médicos ainda nesta segunda e deve ser apresentado nos próximos dias.

O acerto entre os clubes paulistas foi concretizado nesta segunda. Aproveitando a reunião do Clube dos 13, em São Paulo, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, e o da Portuguesa, Manuel da Lupa, conversaram brevemente e definiram a negociação. O acordo prevê que, caso Edno receba uma proposta do exterior após a Libertadores, as duas diretorias terão de analisar em conjunto a oferta.

O ex-atacante da Portuguesa vinha sendo cobiçado por outros clubes desde o início do ano, quando se destacou como artilheiro da equipe no Campeonato Paulista, com 11 gols. A motivação de deixar o Canindé aumentou no último dia 25 de agosto, quando o então técnico René Simões denunciou que homens armados haviam ameaçado o jogador após a derrota da Lusa para o Vila Nova, pela Série B.

Mesmo sem confirmar o incidente, Edno disse que não atuaria mais pela Portuguesa. Segundo o atacante, a cobrança dos torcedores já vinha o incomodando desde antes. Depois disso, ele teve propostas de vários clubes brasileiros e até sondagens do exterior, mas a Lusa relutava em negociar o jogador, que chegou a reclamar publicamente da demora no acerto com um novo time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.