Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Após novo tropeço, Fábio pede reação no Cruzeiro: 'Não adianta baixar a cabeça'

Goleiro tomou a frente para defender os jogadores do time e afirmar que não é hora de lamentação no Campeonato Brasileiro

Redação, Estadao Conteudo

10 de outubro de 2019 | 00h10

O clima no Cruzeiro é cada vez mais delicado e, após mais um tropeço em casa, dessa vez empate sem gols contra o Fluminense, os jogadores se mostraram abatidos na saída de campo, uma vez que a equipe segue afundada na zona de rebaixamento do Brasileirão. Ocupa a 18ª posição, com 21 pontos em 24 jogos.

Muitos atletas cruzeirenses deixaram o gramado do Mineirão nesta quarta-feira cabisbaixos e buscando entender o momento pelo qual o elenco passa. O zagueiro Fabrício Bruno chegou a descer para os vestiários chorando. Alen Braga, treinador que ocupou o lugar de Rogério Ceni, demitido após 8 partidas, parece não conseguir dar jeito no elenco. O time está muito abatido.

Um dos líderes do elenco, o goleiro Fábio tomou a frente dos companheiros para defender o grupo e afirmar que não é hora de lamentar nada, mas de buscar forças para reagir nos próximos jogos da competição. O Cruzeiro precisa das vitórias. "A gente não pode ficar lamentando, a gente joga em uma grande equipe, a pressão é para ser resolvida dentro de campo. Não adianta baixar a cabeça. Enquanto tiver jogos e a gente tiver forças, temos de lutar. A gente tem de lutar pelo torcedor e pela camisa do Cruzeiro", disse.

O goleiro também comentou o gol do atacante Fred, que foi anulado. O centroavante marcou aos seis minutos, mas após consulta ao VAR, o árbitro gaúcho Jean Pierre Gonçalves Lima viu falta de Robinho no lance. "Lutamos, lutamos, lutamos, fizemos um gol, mas infelizmente não valeu novamente. Agora é continuar lutando que uma hora as coisas vão dar certo e vamos voltar a vencer", concluiu. 

Domingo, a equipe de Minas Gerais visita a Chapecoense na briga direta pelas últimas posições do Brasileirão. O time de Chapecó é lanterna do torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.