José Tramontin/Ofec
José Tramontin/Ofec

Após paralisação de 90min, Operário-PR vence Cuiabá e é campeão da Série C

Esta é a primeira vez que um time conquista as Séries D e C em sequência

Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2018 | 23h02

O Operário Ferroviário calou mais de 41 mil torcedores presentes na Arena Pantanal, na noite deste sábado, e fez história ao conquistar o título da Série C do Campeonato Brasileiro. O time de Ponta Grossa (PR) não se deixou afetar por uma paralisação de uma hora e meia por queda de energia e venceu o Cuiabá por 1 a 0, no segundo jogo da final. O primeiro, no Paraná, terminou empatado por 3 a 3.

Esta é a primeira vez que um time conquista as Séries D e C em sequência. Além de tudo, o título coroa um grande momento dos operarianos. Campeão paranaense de 2015, o time passou por algumas dificuldades nas temporadas seguintes, sendo rebaixado para a segunda divisão estadual.

Uma nova era, no entanto, começou no final do ano passado, com o acesso e o título da Série D. Em maio deste ano, veio o título da segunda divisão paranaense e o retorno à elite. Agora, a consagração do acesso à Série B na condição de campeão da terceira divisão.

Do outro lado, o Cuiabá deixou de conquistar o primeiro título nacional para o Mato Grosso. Apesar disso, elevou o patamar do futebol do Estado ao bater o recorde de público da Arena Pantanal, com 41.312 presentes. Antes, a marca era do duelo entre Nigéria e Bósnia Herzegovina, pelo Grupo F da Copa do Mundo de 2014, com 40.499 torcedores.

Em campo, o cronômetro marcava três minutos quando os presentes na Arena foram surpreendidos com uma queda de energia que deixou parte dos refletores sem luz. Com isso, o árbitro paralisou a partida e a espera para que a bola voltasse a rolar durou uma hora e meia. A primeira reação dos torcedores foi de seguir a festa, fazendo "ola" e acendendo as luzes dos celulares. Mas a demora transformou a euforia em impaciência e logo foram ouvidas vaias nas arquibancadas.

A partida foi reiniciada e as primeiras oportunidades claras de gol demoraram um pouco a surgir. Aos poucos, o Cuiabá foi contagiado pela energia da torcida e conseguiu aplicar sua proposta totalmente ofensiva. Nas melhores chances que criou, no entanto, parou em boas defesas do goleiro Simão. Em alguns momentos, o Operário equilibrou um pouco as ações dos jogos, mas oferecer muito perigo.

No início do segundo tempo, o time de Ponta Grossa resolveu se arriscar um pouco mais no ataque e viu a iniciativa dar resultado aos nove minutos, quando Bruno Batata aproveitou rebote e abriu o placar. O gol sofrido logo no início da etapa complementar fez com que o Cuiabá se lançasse ao ataque sem a mesma organização apresentada durante o primeiro tempo, dando espaço para o Operário contra-atacar.

Ainda assim, os donos da casa fizeram uma pressão absurda nos minutos finais e viram o goleiro Simão operar dois milagres após os 45 minutos, além de terem colocado uma bola na trave. O goleiro foi decisivo e garantiu o título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.