Luis Acosta/ AFP
Luis Acosta/ AFP

Após noite na prisão, ex-vice da Fifa deixa local de ambulância

Cansado, Jack Warner evita jornalistas que esperavam na delegacia

Estadão Conteúdo

28 de maio de 2015 | 20h41

Ex-vice presidente da Fifa, Jack Warner saiu de ambulância de uma delegacia de polícia em Port of Spain, capital de Trinidad & Tobago, depois de passar a noite na cadeira. O dirigente é um dos acusados pela Justiça dos Estados Unidos de envolvimento no escândalo de corrupção na Fifa.

Warner, que foi forçado a renunciar ao seu cargo na Fifa em 2011 e agora é membro do parlamento de Trinidad & Tobago, se apresentou à polícia do país na tarde de quarta-feira, horas depois de os EUA remeter para lá um pedido de prisão do ex-dirigente.

Ele foi autorizado a pagar uma fiança, de aproximadamente US$ 400 mil, mas passou a noite na cadeia. Como saiu da delegacia de ambulância, Warner não falou com os dezenas de jornalistas que esperavam para ouvi-lo. De acordo com o oficial de justiça Abraham Ali, Warner reclamou de cansaço.

Membro da oposição do Parlamento de Trinidad & Tobago, Warner é acusado de oito crimes pela Justiça dos EUA, incluindo corrupção. As investigações iniciadas em Nova York apontam que ele teria recebido US$ 10 milhões para votar pela África do Sul nas eleição que definiu o país africano como sede da Copa do Mundo dos EUA. O caso é investigado nos EUA porque lá fica a conta em que o dinheiro foi pago.

Warner deixou o futebol em 2011, para evitar punições da Fifa em um escândalo durante a eleição presidencial da Fifa naquele ano. Na quarta, antes de se entregar, negou as mais recentes acusações de corrupção contra ele e garantiu não ter cometido qualquer irregularidade.

O ex-presidente da Concacaf foi uma das 14 pessoas indiciadas nesta quarta-feira nos Estados Unidos por acusações de corrupção. Dois de seus filhos admitiram culpa de acusações relacionadas. Warner disse que não foi questionado durante as investigações.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.