Matteo Bazzi / EFE
Matteo Bazzi / EFE

Após pênalti perdido e expulsão, Higuain pede desculpas aos torcedores do Milan

Time milanês foi derrotado pela rival de Turim por 2 a 0

Estadão Conteúdo

12 de novembro de 2018 | 10h18

Após um domingo para esquecer em sua carreira, o atacante Gonzalo Higuain pediu desculpas nesta segunda-feira pelo pênalti perdido e, principalmente, pela expulsão na derrota do seu time, o Milan, no clássico contra a Juventus, seu ex-time, por 2 a 0, no estádio San Siro, em Milão, pela 12.ª rodada do Campeonato Italiano. O argentino dirigiu suas palavras aos companheiros de time, ao árbitro da partida e aos torcedores do clube rubro-negro.

"Primeiro de tudo, quero me desculpar aos companheiros, ao técnico, aos torcedores e ao árbitro pela minha reação. Tomo toda a responsabilidade pelas minhas ações. Obviamente, espero que isso não aconteça novamente. Este é um daqueles momentos... nós estávamos perdendo, eu errei um pênalti e nós não somo robôs, mas sim pessoas", afirmou Higuain.

Em campo, a Juventus abriu o placar com Mandzukic, logo aos sete minutos de jogo, e Higuain poderia ter empatado em cobrança de pênalti sofrido por ele mesmo pouco antes do intervalo. Mas o seu chute foi defendido pelo goleiro polonês Szczesny. Na segunda etapa, aos 35, o português Cristiano Ronaldo fez o segundo da equipe de Turim e pouco depois o argentino foi expulso - fez falta em Benatia e levou cartão amarelo, mas não gostou nada da decisão, reclamou muito com o árbitro e recebeu o vermelho.

"Nós (jogadores) somos exemplos para as crianças e sei que minhas ações não foram corretas", disse Higuain, que agradeceu o apoio de seus ex-companheiros de Juventus, que o seguraram na hora da expulsão. "Tive grande apoio deles. Foi legal eles tentarem me acalmar. Sabem que jogadores têm emoções e o que posso fazer é me desculpar".

O atacante argentino está emprestado pela Juventus ao Milan por uma temporada. No clube de Turim, Higuain marcou 55 gols em 105 partidas, sendo 40 em 73 jogos pelo Campeonato Italiano. "Saí de lá pelos outros, não por mim. Sempre dei tudo de mim em Turim. Mas agora estou no Milan e estou bem aqui", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.