Francisco Seco/AP
Francisco Seco/AP

Após perder braçadeira, Rapinoe vibra com classificação dos EUA no Mundial

'Ganhar da França, em Paris, com tantos torcedores na arquibancada, é um feito incrível', afirmou a artilheira americana

Redação, Estadão Conteúdo

28 de junho de 2019 | 20h56

Apesar de perder para Alex Morgan a braçadeira de capitã na partida contra a França, Megan Rapinoe continua sendo a líder dentro e fora de campo da seleção dos Estados Unidos. Nesta sexta-feira, ela fez os dois gols na vitória por 2 a 1 sobre as donas da casa, em Paris, e classificou sua equipe para a semifinal do Mundial Feminino. O time vai enfrentar a Inglaterra na terça, em Lyon.

Pelas oitavas de final, ela já havia marcado dois gols também, ambos de pênalti, na vitória por 2 a 1 sobre a Espanha. "Gostaríamos de ter jogado melhor, mas o mais importante é que estamos nas semifinais e vamos enfrentar a Inglaterra. É muito especial ganhar da seleção local em pleno Parque dos Príncipes. Não se pode pedir mais que isso", comentou.

Aos 33 anos, ela está na seleção desde 2006 e já fez 157 partidas, tendo marcado 49 gols. É famosa pelo seu ativismo pelos direitos LGBT (ela é homossexual) e pela igualdade de tratamento na US Soccer, a confederação de futebol dos EUA. Ao lado de outras jogadoras, protestou contra a diferença de salários e premiações entre homens e mulheres na seleção.

Até por isso, a ótima campanha na Copa do Mundo ajuda a ampliar os holofotes sobre sua seleção. "Ganhar da França, em Paris, com tantos torcedores na arquibancada, é um feito incrível. Até por isso, quando se chega a uma semifinal eliminando uma das favoritas, o objetivo tem de ser buscar o título mundial", avisou.

O resultado, além da ótima atuação, ajudam Rapinoe numa polêmica recente. Ela entrou em atrito com o presidente Donald Trump porque, em entrevista, disse que não aceitaria visitar a "p... da Casa Branca" caso fosse campeã. O presidente dos EUA rebateu no Twitter e falou que ela "não deveria faltar com respeito ao nosso país, à Casa Branca e à nossa bandeira". A jogadora, no entanto, manteve sua postura crítica ao atual governo. "É uma administração que não luta pelas mesmas coisas que combatemos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.